quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Por que sou de esquerda?


Se você perguntar para qualquer político elegível num debate se ele é de esquerda ou de direita, a resposta vai ser sempre a mesma. Ele não vai se assumir de esquerda, direita ou centro para não criar repulsa de nenhum lado opositor e vai usar aquele discurso mais batido que bengala de cego de que não existe mais esquerda e direita, que o importante é cuidar das pessoas, que o importante é melhorar a saúde, a educação e a segurança pública e fazer o país crescer, e toda aquela conversa demagoga de sempre. Como eu não sou político e não tenho rabo preso com ninguém, estou livre, como cidadão, para revelar minha posição política, que é de esquerda. Mas por que eu me considero de esquerda? Vamos refletir antes sobre o básico.

O Brasil é um país em desenvolvimento com um alto índice de desigualdade social e econômica, fato. A esquerda (moderada) é a favor da redução dessas desigualdades e de uma política econômica baseada no keynesianismo, promovendo um crescimento econômico igualitário e dando o devido valor à classe trabalhadora. Já a direita é justamente o oposto: é individualista, elitista, neoliberal e concentradora de renda na mão de minorias. Querem enriquecer os patrões às custas do suor dos trabalhadores e fazer privatizações em massa. A ideia de "Estado mínimo" defendida por eles só serve para beneficiar os abastados e manter os ricos ainda mais ricos e os pobres ainda mais pobres. Só isso já explica o porquê da minha inclinação à esquerda.


É muito fácil defender o status quo e o liberalismo econômico quando você faz três refeições por dia, quando tem casa própria, quando tem um bom salário e uma boa perspectiva de futuro. Mas e as outras pessoas? E os mais pobres? E os que NASCERAM mais pobres? Pessoas pobres têm sonhos, têm necessidades básicas que precisam ser supridas, têm desejos e têm a mesma vontade de vencer na vida como qualquer outro ser humano. O problema é que as barreiras sociais e econômicas impostas a eles desde o nascimento são completamente atrozes se comparadas às da classe média e às da alta burguesia. As desigualdades econômicas e de classe nesse país (e em boa parte do mundo também) são absolutamente desproporcionais e aterradoras. Enquanto uma doméstica ganha um salário mínimo (que mal chega aos R$ 800) a duras penas, um banqueiro ganha milhões (e até bilhões em alguns casos) sem maiores esforços. A distribuição de renda é completamente injusta, porque você superconcentra o dinheiro da nação na mão de uma meia dúzia de indivíduos e a esmagadora maioria da população é que precisa repartir o resto que sobra. Eu não estou dizendo que o Estado tem que roubar do rico para dar para o pobre, o que eu defendo é uma distribuição de renda justa. Um banqueiro, por melhor e mais competente que seja, não merece receber um rendimento mensal 500 mil vezes maior que um proletário que tem uma carga e uma jornada de trabalho muitas vezes maior que a do banqueiro.


Aí vem um gaiato dizer que eu sou "esquerda caviar". Primeiro que eu nunca comi caviar, segundo que não preciso passar fome para ter empatia pelos mais pobres e terceiro que eu sei que é uma questão de justiça e bem-estar social cuidar das pessoas menos favorecidas economicamente. Aí vem outro gaiato e diz para eu "ir para Cuba". Ora, Cuba é um país que está em situação precária há décadas por causa de um embargo econômico totalmente covarde e desumano protagonizado pelos EUA. Isso sem falar na queda de países "socialistas" parceiros de Cuba que desapareceram com a extinção da URSS, deixando Cuba em situação de calamidade total. Fora que Cuba nem socialista é. O que ocorre em Cuba é um capitalismo de Estado no pior sentido que essa expressão puder ter. Então mandar alguém para Cuba é uma forma desonesta de argumentação.

Eu não me considero um socialista propriamente dito, porque o socialismo tem o problema de rejeitar e oprimir a natureza gananciosa do ser humano, o que só torna esse sistema possível através de ditaduras. Além do fato do socialismo não dar o incentivo capital necessário para gerar mais inovações - já que o capitalismo premia as ideias mais inovadoras, fazendo as pessoas encontrarem as melhores soluções mais rapidamente, estimulando, assim, o rápido avanço tecnológico. Eu me considero um social democrata, que mantém o capitalismo com regulação estatal de modo a preservar o próprio capitalismo, já que o mercado é predatório e naturalmente gera cartéis, monopólios e oligopólios. Os anarcocapitalistas que me desculpem, mas o capitalismo só funcionaria sem Estado se os seres humanos tivessem um comportamento exemplar e se os recursos naturais fossem infinitos.

Por que a direita no Brasil ainda é tão forte?
O Brasil, atualmente, está se tornando cada vez mais de direita. Basta ver a quantidade de gente "liberal" nessas manifestações anti-PT e todo o persistente e contagioso discurso rancoroso de gente de direita na internet e na mídia em geral. A falsa ideia de liberdade transmitida pela direita é um ponto que tem convencido muita gente, especialmente da classe média, de que "menos Estado" é a solução para o crescimento econômico e também para combater a corrupção. A classe média, que sustenta o país com seus impostos, se sente roubada pelo PT devido aos sucessivos escândalos de corrupção - daí que os intelectuais da direita aproveitam e soltam a armadilha: "Sua vida está ruim porque o governo é de esquerda, porque o PT é de esquerda" e "A esquerda te rouba através de impostos e da corrupção". E assim a esquerda vira um verdadeiro câncer para essas pobres pessoas que sofreram uma lavagem cerebral gratuita e maniqueísta dos reacionários neoliberais. O problema aí é que o PT, apesar de ainda ter um estatuto progressista e ter raízes sindicais, não é mais um partido de esquerda propriamente dito. O PT hoje é centro-esquerda e cada vez  mais está aderindo a agenda neoliberalóide para se manter no poder. Isso tanto é verdade que até banqueiros estão saindo em defesa do Partido dos Trabalhadores. Mas a lavagem cerebral da direita reacionária é tão eficaz, que cega as pessoas politicamente indecisas ou levemente orientadas à direita com exemplos como esses aqui. Aí o resto é consequência.


Devido ao passado colonial, aristocrata, escravocrata, conservador, monárquico, militarista e pela forte presença dos EUA, o Brasil é, desde 1500, uma nação governada e planejada pelas elites. As ditaduras pelas quais passamos e os golpes de Estado mostram que a inclinação antiesquerdista foi predominante na nossa história. Os governos, mesmo os mais à esquerda, precisam passar pela aprovação das elites para terem suas campanhas financiadas e se elegerem. Não há escapatória a não ser fazer o jogo da direita, de modo que mudanças sociais são lentas e difíceis. E o grande desafio de ser de esquerda hoje em dia é lutar contra toda essa dominação elitista que o Brasil sempre teve sem ter que apelar para uma revolução brasileira à francesa.

Leia também:
Sim, sou de esquerda e repudio o fascimo no Brasil
20 motivos pelos quais eu sou de esquerda

terça-feira, 25 de agosto de 2015

As contradições dos petistofóbicos

A imbecilidade dos reaças não tem limites

A militância antipetista precisa urgentemente rever as suas críticas feitas ao Governo Federal. Pois várias dessas críticas feitas ao PT atualmente são construídas em cima de espantalhos inventados com a intenção de ludibriar os incautos e convencê-los a virar massa de manobra na mão de gente inescrupulosa e oportunista. Algumas dessas mentiras são tão toscas que caem em contradição com os fatos e com outras mentiras já associadas anteriormente ao PT. Vamos ver alguns exemplos clássicos:

Os coxinhas piram

1-Golpe comunista
Dizem os conspiradores que o PT é um partido comunista do Foro de São Paulo e que o mesmo quer instaurar uma ditadura socialista no Brasil. Mas, estranhamente, o próprio governo do PT tem apoio dos banqueiros. Os presidentes do Bradesco e do Itaú Unibanco (Luiz Carlos Trabuco e Roberto Setubal) concordam que não há motivos para tirar a Dilma do poder, além de um possível impeachment correr o risco de piorar ainda mais a crise econômica. Eu nunca vi um golpe comunista ter apoio de grandes bancos privados. E você, já viu?


2-Só o PT é corrupto
Dizem também que o PT é corrupto, o que não deixa de ser verdade, mas querem colocar no seu lugar o PMDB e o PSDB que são ainda mais corruptos que o próprio PT. Fora que tem "jente" (com jota mesmo) que é contra a corrupção do PT, mas defende a corrupção de Eduardo Cunha.


Lista de partidos mais corruptos (dados do TSE)


3-Gayzismo + Islamismo
E o pior ficou pro final: pois dizem que o PT é "pró-gayzismo" e que quer destruir a família tradicional defendendo a tal "ditadura gayzista". Mas os conspiracionistas insistem também em dizer que o PT financia o Hamas e o Estado Islâmico, grupos esses que MATAM gays. Daí eu pergunto: como o PT pode ser jihadista (a favor de uma invasão islâmica no Brasil) e apoiar o "gayzismo" ao mesmo tempo?

Lula apoia terroristas e...
...a causa gay também. Entendeu?


A vontade de tirar o PT do poder é tanta que os reaças acabam se perdendo entre as próprias mentiras. E, paradoxalmente, é justamente graças a essas contradições grotescas da oposição que o PT vai se mantendo ano após ano no poder. Afinal, quem é que vai deixar de votar no PT para votar em candidatos apoiados por uma cambada de loucos, mentirosos, hipócritas e fanáticos?
Enquanto existirem pessoas caricaturadas, radicais e protofascistas fazendo pseudo oposição ao PT, o partido dos trabalhadores jamais vai sair do poder. A crítica de alguns é tão mal feita, tão destrambelhada e tão debiloide, que cada vez que eu vejo essa gente sem noção falando de ditadura gayzista-comunista, eu tenho mais vontade ainda de votar no PT.

Coerência não é o forte da oposição

Enfim, eu não tenho mais paciência para lidar com tantas teorias da conspiração reacionárias que só servem mesmo para fazer piada. Dá licença!

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

A realidade também pode ser bela


Todos já estão cansados de saber que a vida não é fácil e que a realidade é mais dura, cruel e desumana do que se pode imaginar. Mas nem sempre a realidade é desumana. Às vezes há pessoas que nos ensinam que existem muitas coisas belas e humanas ao nosso redor e ao nosso alcance. O pessimismo diante da realidade e das pessoas nos torna cegos diante de gestos e atitudes que são capazes de nos fazer recuperar a fé na humanidade. O vídeo abaixo é um exemplo:

video


Já a realidade física mostrada pela ciência também possui a sua beleza. Ao invés de acreditarmos em lendas, folclores e mitologias sem fundamento, nós podemos nos encantar com fenômenos reais, comprovados pela ciência, que aparentam ser frios na sua aparência, mas que na essência são deslumbrantes. Depois que a ciência comprovou, por exemplo, que somos todos feitos de poeira de estrelas e que estamos vivendo na mais bela era do universo (a era de ouro das estrelas e da vida), percebemos que a vida é muito mais sublime e preciosa do que qualquer mitologia ou dogma poderia supor. Somos privilegiados por vivermos numa época onde a ciência responde quem somos e do que somos realmente feitos sem precisar apelar para crendices e misticismos. E, sim, é gratificante e emocionante saber qual é a nossa verdadeira origem e o quão somos todos únicos especiais. Os vídeos abaixo exemplificam isso de uma forma elegante.

video




Somos constituídos de poeiras de estrelas e, como tais, nascemos para brilhar. Mas precisamos de coragem, humildade e sabedoria para fazer com que o brilho das nossas atitudes mais humanas ilumine a vida daqueles que mais precisam. Fazer da realidade algo belo é algo que depende apenas de nós. Sinta-se vivo.



quinta-feira, 20 de agosto de 2015

O antipetismo tresloucado e as teorias da conspiração


Eu não sei se você já percebeu, mas quando a gente não gosta de algo ou de alguém, a tendência é que a gente exagere nos defeitos para desqualificarmos aquilo que não gostamos. Até aí tudo bem. O problema é quando muitos de nós passamos a acreditar em mentiras e calúnias para reforçar a nossa aversão a algo. Muitas pessoas conservadoras têm acreditado, por exemplo, que "o gayzismo vai extinguir a raça humana" ou que "os ateus mataram milhões de pessoas" como forma de espantalho para justificar ainda mais o seu asco pelos gays e pelos ateus. E quando vivemos numa sociedade onde as pessoas possuem uma educação deficiente, onde a grande maioria é completamente alienada à política e onde há muito fanatismo religioso e pouco conhecimento do método científico, aí é que as pessoas se tornam ainda mais propensas a acreditar em teorias conspiratórias absurdas. A maior prova está aí: livros que falam que o homem não foi à Lua e que as pirâmides do Egito foram construídas por ETs estão sempre em evidência entre os mais vendidos.
O sistema que você não vê
Agora pegue tudo isso e traga para o lado da política. A classe média, em sua grande maioria, apesar da melhor educação recebida pelas escolas particulares, ainda é muito incauta. Em um sistema controlado por uma plutocracia, a classe média se limita a achar que a raiz do problema é o Partido dos Trabalhadores. E antes que alguém venha me xingar de "petralha", é bom que fique claro que eu não gosto do PT, que discordo de várias coisas que o PT faz e que o mesmo não me representa. Mas achar que tirar o PT do executivo vai melhorar alguma coisa de forma significativa é algo muito ingênuo. Mas o que me impressiona nem é isso. Todos os dias eu vejo nas redes sociais textos e vídeos divulgando supostas "provas" do envolvimento do PT com as FARC, com o HAMAS, com o Boko Haram, com o Estado Islâmico, que o Foro de S. Paulo é uma tentativa de Golpe Comunista, que o PT roubou mais que todos os partidos políticos da história juntos, que a Dilma quer implantar um chip nos brasileiros, que o PT censura meios de comunicação, e por aí vai... Todas essas notícias são divulgadas sem nenhuma evidência e viralizam como se fossem verdades absolutas. As pessoas sequer se dão ao trabalho de ir verificar a fonte da informação para saber do que se trata. Para se ter uma ideia, tem gente compartilhando notícias fakes do site de humor Sensacionalista como se fossem verdades. E o grande perigo que há nos casos de misturar a raiva contra o PT com mentiras envolvendo, sobretudo, religião, é que cria-se um clima de intolerância religiosa e islamfobia que motivaram, por exemplo, crimes como o cometido pelo Atirador da Noruega, em 2011, que queria livrar a Europa da "invasão muçulmana". Eu fiquei estarrecido quando assisti, recentemente, a dois vídeos compartilhados nas redes sociais de pessoas pedindo intervenção militar para evitar que os "terroristas palestinos" tragam o islamismo para o Brasil - já que Lula e o PT "apoiam" os terroristas.
Não é nada engraçada essa disseminação de inverdades: isso é perigoso e irresponsável. Se quer sentir ódio do PT, sinta: mas que sinta pelas razões corretas. Aquela bomba atirada no Instituto Lula mostra que a intolerância é capaz de ser muito mais agressiva do que se pode imaginar, por isso é preciso combater as mentiras e o desejo de vingança para promover a justiça no seu lugar. Por esse motivo, também, é preciso tomar muito cuidado com essa desinformação toda que corre solta nas redes sociais e até em revistas de veracidade duvidosa, como a Veja. E lembre-se que não basta só acusar, é preciso provar antes de julgar alguém. Afinal, todos são inocentes até que se prove o contrário.

Bomba no Instituto Lula

Eu não vou aqui cair no clichê de dizer que a classe média fascista odeia o PT por causa da inclusão social promovida pelo governo, porque ainda que isso seja verdade, isso não acrescenta nada de construtivo à discussão. O grande problema é a intolerância e a crença em mentiras que só servem para alimentar um ódio que não serve para nada. E quanto mais essas mentiras são repetidas, mais elas parecem verdades, pois como já dizia Goebbels: "Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade". Então abram os olhos.

Será que a classe média sabe disso?

E antes que algum boçal venha aqui dizer que eu recebo dinheiro do governo para defender a minha opinião política ou pior ainda: que eu sou um político membro do partido dos trabalhadores, eu reitero que o PT não me representa. Também sou a favor de impeachment, desde que ele ocorra por crime - e não por insatisfação popular, porque se for por isso, seria nada mais que um golpe. E em matéria de golpe por acusar os opositores de corrupção, essa gente que sempre esteve no poder é especialista. Basta consultar qualquer livro de história do Brasil para lembrar disso.


terça-feira, 18 de agosto de 2015

A inocência da classe média


Não vai ter golpe. Seja impeachment, monarquia, ditadura, renúncia: nada disso vai ocorrer. A presidente Dilma Rousseff não vai sair do poder por mera pressão popular da classe média. Não é assim que as coisas funcionam no nosso sistema. Quem manda no sistema é a plutocracia juntamente com os três poderes: executivo, legislativo e judiciário. Em 1964, quando houve o golpe militar, legislativo e judiciário foram "financiados" para isolar Jango, autorizando as forças armadas a tomarem o poder. Em 1992, mais uma vez o legislativo e o judiciário isolaram Fernando Collor para dar o impeachment. A presidente Dilma não está mais isolada. Com o "pacote salva-Dilma" proposto por Renan Calheiros e a articulação com o judiciário e a base aliada, o governo do PT está desmontando todo o clima que favoreceria ao golpe. Temos também o carrasco do PT, Eduardo Cunha, sendo cada vez mais desmoralizado e isolado. E a gota d'água foi quando alguns membros da elite econômica (entre eles, Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco) se posicionaram contra o impeachment, porque ele geraria instabilidade no processo constitucional, diminuiria os investimentos, abalaria a confiança no país e, consequentemente, os lucros dos bancos.
Contrastes...
O que a classe média precisa entender é que ela sozinha não tem moral para nada. O que essas manifestações mostram é que além de inocente, a classe média não está atacando o sistema que alimenta a corrupção em sua essência. O que vejo são um bando de filhinhos de papai, eleitores do tucanato e que possuem uma indignação seletiva por serem anti-PT (são contra a corrupção, desde que ela seja do PT) querendo nadar contra a correnteza. Para mudar o país, todos nós precisamos ser contra a manipulação financeira do processo político e contra a corrupção de TODOS os partidos. Um passo grande a ser dado é ser contra o financiamento empresarial sem limites das campanhas eleitorais. Se o financiamento fosse privado - desde que feito por pessoa física e com limite de valor de doação - aí, sim, a classe média teria chance de ter as suas reivindicações atendidas. Enquanto isso não ocorrer, apenas as mega empreiteiras, mega corporações e bancos é que vão continuar decidindo o futuro político do país.

"Foje"

Sobre as manifestações de 16/08
Moralidade seletiva
A revolta da classe média nas ruas, também chamada de "carnacoxinha" pelos mais gaiatos, mais parecia uma micareta reacionária. Tinha de tudo: tucano, integralista, fascista, regressista, alienado, olavette, membros da TFP, gente a favor da ditadura, gente a favor da monarquia, ultraconservador, enfim: tudo que há de mais reacionário e esquerdofóbico no país (geralmente, e por ironia, usando o abadá da corrupta CBF). Para saber mais sobre o perfil dos manifestantes, basta dar uma olhada nos gráficos nesta matéria da Folha. Note que a renda que prevalece entre 77,93% desses manifestantes oscila de R$ 2.364 até R$ 39.400 - e que a maioria (75%) se declara "branca". É preciso dizer mais alguma coisa? Pela ideologia dessa gente e pela falta de maturidade política, dá para se perceber que não tinha como essa manifestação dar em alguma coisa. Fora que os manifestantes não propuseram medidas para resolver o problema da crise e da corrupção no Brasil. A única coisa que gritavam em massa era o hino nacional (quase sempre errado) e "Fora PT". E depois reclamam que o povo pobre é alienado. Putz...

A seguir, um vídeo para brincar um pouco com a ignorância dos manifestantes:


video




domingo, 16 de agosto de 2015

Golpe


É fato: a esquerda política brasileira está em xeque. Enquanto a direita tem cada vez mais monopolizado discursos na grande mídia e na internet, a esquerda tem se mostrado quieta, acuada, prostrada e perplexa. É como numa partida de futebol onde os torcedores da casa veem o seu time ser goleado em casa: impera o silêncio e a apreensão ao invés do apoio ao time. Isso fica muito claro quando vemos o único partido no poder que mantém algum compromisso com a esquerda sendo cercado, abandonado e atacado por todos os lados. O desenho de um golpe que pode afastar o PT da presidência fica cada vez mais nítido a cada protesto, a cada grito de fúria da classe média reacionária e a cada notícia sensacionalista que é exposta na capa da revista Veja ou no Jornal Nacional. Se o PT não conseguir fazer as pazes com seus aliados e não reconquistar a confiança do povo, provavelmente o poder legislativo será capaz de preparar a última cartada para o xeque-mate no governo.
Enquanto isso, a esquerda está desunida, desorganizada e abandonando o estádio antes do fim do jogo. Alguns sabem que é possível evitar a derrota e salvar não apenas o governo que eles mesmos escolheram, mas também a democracia - e então continuam apoiando o time. Porém, no meio dessa esquerda rachada há os extremistas que acham que o PT é "de direita" e merece ser expulso de campo. E também há aqueles que caíram na velha lábia da direita e acham que "qualquer coisa" é melhor que o atual governo. Quando a torcida visitante faz mais barulho que a torcida da casa, é porque as esperanças estão sendo perdidas. O problema é que ainda há muito jogo pela frente. O PT venceu as eleições democraticamente há menos de um ano. É uma covardia que aqueles que votaram no governo virem a casaca antes dos 20 minutos do primeiro tempo só porque o time está mal e levando uma verdadeira goleada em casa.

Integralismo + TFP = Fascismo

Eduardo Cunha: carrasco do PT
Um impeachment afastaria o PT não apenas desse mandato, mas, certamente, de vários outros, por várias décadas. A desmoralização de um partido que leva cartão vermelho é enorme. Mesmo que a presidente não tenha feito absolutamente nada para merecer o cartão vermelho, a pressão da torcida rival e todo o dinheiro e máfia por trás do jogo é capaz de expulsá-la sem o menor vacilo. Afinal, o que conta na política brasileira não é a justiça, mas, sim, o dinheiro e as coligações criminosas entre bandidos travestidos de parlamentares. Com o PT fora da jogada, Michel Temer e o seu PMDB assumiriam a presidência fazendo o jogo da direita. O PSDB certamente se aproximaria do PMDB para ter apoio político nas eleições de 2018 e, com toda certeza, venceria. Afinal de contas, se é que alguém não percebeu, não existe governo no Brasil sem o PMDB. E, assim, o PSDB poderia ficar mais 20, 30 anos ou até mesmo um século no poder com todas as suas falcatruas sendo escondidas descaradamente pela mídia que os elegeu junto com a classe média fascista e sem oposição, já que esquerda estaria desmoralizada. Um desfecho incrivelmente óbvio para um país onde, como já dizia Paulo Freire, as classes dominantes desenvolveram uma educação onde as classes dominadas não percebem as injustiças sociais de forma crítica. A doutrinação da grande mídia, a lavagem cerebral em parte da classe média que se "adireitou" e o sistema de ensino que não tem política na sua grade curricular só podem gerar um país dominado por partidos reféns da plutocracia, onde a democracia só serve de fachada para fazer a esquerda política e o povo de fantoches.

A grande revolta contra o PT vem da classe média. Classe média esta que leu Olavo de Carvalho, Rodrigo Constantino, von Mises, Adam Smith e pagou para assistir as palestras de Pondé e Reinaldo Azevedo: personalidades essas que conseguiram convencer a essas verdadeiras cobaias protofascistas que o "Nazismo era de esquerda", que o "PT ia dar um Golpe Comunista" e que com "menos Estado" não corre o risco de colapsar a economia. E os gurus da direita não param de se multiplicar: Jair Bolsonaro, Marco Feliciano, Padre Paulo Ricardo, Felipe Moura Brasil, Danilo Gentili, Rachel Sheherazade, Arnaldo Jabor, Paulo Eduardo Martins... Até mesmo o Canal do Otário (famoso por seus vídeos de interesse geral no Youtube) virou uma propaganda política gratuita do PSDB, DEM e qualquer outro partido que esteja mais à direita que o PT. O Yahoo Respostas tem a sua categoria Governo e Política totalmente tomada por militantes anti-PT que, entre outras coisas, sentem um desejo quase sexual pela volta da ditadura militar. E mesmo com todo esse clima golpista e com a direita fortalecida, a esquerda insiste em ficar quieta ou ainda pior: atacar o PT juntamente com quem está louco para enterrar a esquerda brasileira no mais profundo fosso que sobrou da ditadura militar.

Fascista? Não, imagina.

Eu não tenho raiva da direita, mas tenho raiva dessa esquerda covarde, medrosa, desorganizada, conformada e calada que está cruzando os dedos para o PT afundar juntamente com toda a esquerda. Ou você acha que o PSOL, o PCO, o PSTU, o PCB ou o PC do B têm alguma chance de se eleger para presidência? Como já dizia Martin Luther King: "O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética... O que me preocupa é o silêncio dos bons."


É claro que o PT está quase que inteiramente desfigurado por ter mentido e adotado as tais "medidas impopulares" contra a classe trabalhadora. Eu sei que isso é revoltante e que isso vai contra todos os propósitos da esquerda, que não se sente representada pelo PT, mas isso não é motivo para fazer vista grossa para essa tentativa de golpe armada pelos egocêntricos eleitores do PSDB e por uma Câmara que não tem o menor compromisso ético com nada. Crises passam, raiva passa, momentos difíceis passam. O que não passa é a chance de continuar reduzindo essas desigualdades criminosas que ainda prevalecem no Brasil. A maior desmoralização que o PT sofreu não foi a corrupção ou a crise que ele provocou. A maior desmoralização do PT está sendo essa de ter que fazer o jogo da direita para evitar um golpe no coração da democracia onde parte da esquerda está se omitindo.


O PT vai ter que cair fora cedo ou tarde, mas que caia de forma democrática, saindo pela mesma porta que entrou: a porta da democracia. Volto a dizer que concordo com todas as críticas pertinentes feitas ao PT, de que ele é um partido negligente, corrupto e irresponsável. Mas como no Brasil o pluripartidarismo é só de fachada, o que temos é uma polarização política entre PT e PSDB que nem tão cedo vai chegar ao fim enquanto a maioria da população continuar alienada com relação à história e à política, e também enquanto houver financiamento empresarial para campanhas. Esse sistema político que aí está há várias e várias gerações só serve para manter os velhos privilégios da elite burguesa plutocrata. A "reforma política" proposta por Eduardo Cunha e seus aliados fez tudo ao contrário do que deveria ter sido feito para tornar a nossa política mais democrática: financiamento empresarial de campanha política, voto proporcional (quociente eleitoral), política coligação partidária, etc. Enquanto isso, os pobres e a classe média continuam com a mesma vida, reclamando dos mesmos problemas e acreditando na ilusão de demagogias que são tão antigas quanto a própria política.

Algum esquerdista tem uma boa legenda para esta imagem?

Outra coisa que me incomoda bastante nessas manifestações rancorosas contra o PT é a moralidade seletiva de quem as faz. Todos são contra a corrupção do PT, mas ninguém liga para a corrupção generalizada no poder legislativo. Eduardo Cunha, por exemplo - um sujeito mafioso, corrupto e inescrupuloso - não poderia sequer ter sido eleito deputado, e muito menos presidente da Câmara. Enquanto todos esses manifestantes querem o PT fora (principalmente por ele ser de esquerda), os corruptos de todos os outros partidos estão dando risada da burrice dos idiotas úteis que, com toda certeza, vão baixar o ânimo depois que o PT cair e continuarão sendo roubados pacificamente.


Enquanto o dia em que esse sistema for mudado não chega, teremos que ter, no mínimo, a obrigação moral de defender aquilo que nos custou tantas vidas, tanto sangue e tantas perseguições: a democracia.

#golpistasnãopassarão

Mais em:
Golpismo não passará (por Renato Rabelo)
A agenda de ódio e os atos de domingo

sábado, 15 de agosto de 2015

A classe média antipetista e o delírio do laissez-faire

Deputado Justo Veríssimo: o político dos sonhos da classe média fascista

Pois é, a conversa da direita é sempre a mesma:

- A vida não é justa com ninguém.
- Quem quer vencer na vida não reclama, trabalha. 
- Bandido bom, é bandido morto.
- O ser humano é naturalmente egoísta e ganancioso.
- Temos que valorizar o mérito individual e a propriedade privada.
- As desigualdades são naturais e inevitáveis.
- As estatais e os funcionários públicos só trazem prejuízo para o país.

A direita diz que a meritocracia e as desigualdades são naturais e justas, porque riqueza e pobreza são elementos naturais do capitalismo. O problema desse pensamento é que ele é ambíguo, porque apesar de estar correto sob os termos gerais, a direita distorce esses conceitos de meritocracia e desigualdade para manter as desigualdades avassaladoras que existem até hoje no Brasil e no mundo. As pessoas nascem em condições socioeconômicas muito diferentes e isso tem um peso gigantesco na meritocracia. Não há como uma criança que nasceu debaixo da ponte e passou fome a vida inteira competir de igual para igual com outra que nasceu em berço de ouro e sempre teve tudo na vida. Não existe meritocracia aí. A meritocracia só seria válida se ambos nascessem em condições semelhantes, para aí, sim, premiar o melhor pelo seu próprio mérito, ao invés de premiar o que teve a vida mais fácil.

Ah, a meritocracia...

A grande maioria das pessoas privilegiadas economicamente não quer abrir mão dos seus privilégios e ver uma distribuição de renda mais justa no Brasil, então defendem desesperadamente o liberalismo econômico e a propriedade privada. Elas sentem que estão perdendo terreno para as classes mais baixas e isso as incomoda bastante.
O grande problema dessa pseudo meritocracia criada pela direita é que ela desconsidera que vivemos num país rico, mas, estranhamente, há uma desigualdade brutal alimentada por diferenças de classe, racismo e intolerância religiosa e cultural. Se um país rico tem muitos pobres, das duas, uma: ou o governo é extremamente incompetente, ou a elite econômica transformou o país numa plutocracia. O PT, hoje, apesar de ser um partido de centro-esquerda, é pau-mandado da elite econômica, pois nenhum partido de esquerda ou de centro chegaria ao poder sem o aval dos donos do sistema. Quando os patrões financiam campanhas de partidos de esquerda, o fazem para forçá-los a abandonar suas posições radicais e adotar um programa mais moderado.

Qualquer semelhança com a realidade é proposital

A classe média está revoltada, e com razão, por ser a classe que mais paga imposto no país. Mas esse ódio dela pelo PT não se justifica por isso. Apesar dos vários erros do governo, quem faz da classe média a "burra de carga" do país é o próprio sistema. O governo não pode cobrar impostos demais dos pobres porque, além de não ter dinheiro, as classes economicamente desfavorecidas esfriariam a economia por faltar-lhes renda mínima para o consumo que sustenta parte do capitalismo. E o governo também não pode cobrar impostos maiores dos milionários, porque senão toma um golpe de Estado na mesma hora. Então sobra para a classe média sustentar o país. Nesse contexto, ser contra o PT é latir para a árvore errada. Esse ódio deveria ser redirecionado para aqueles que a classe média tanto anseia em ser: os ricos que corrompem o sistema, que financiam os partidos políticos e fazem suas fortunas se multiplicarem cada vez mais rápido.

A ideia de "Estado mínimo" e o anarcocapitalismo são uma aberração total para a própria classe média, que acha que assim haverá menos corrupção e menos impostos. Doce ilusão... A solução é a redução das desigualdades, porque assim todos pagariam impostos proporcionalmente a sua renda e ninguém ficaria sobrecarregado. Mas a classe média burra seduzida pela direita reacionária não pensa isso, porque a lavagem cerebral que a mídia fez em suas cabecinhas foi tão forte e persistente, que o laissez-faire virou um ideal de justiça. Como resultado dessa loucura neoliberal, temos que aturar até mesmo o papa Francisco sendo xingado de "comunista" por defender uma política mais igualitária e que tenha um mínimo de consideração pelos pobres, famintos e miseráveis que Jesus tanto amou.

Acorda, Brasil.


quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Impeachment não é a solução


É um engano achar que apenas aqueles que votaram contra o PT nas eleições passadas estejam revoltados com o atual cenário econômico do Brasil. As várias pesquisas realizadas mostram que a popularidade da presidente Dilma está baixíssima: fato este que comprova a decepção dos próprios eleitores do PT. Eu, por exemplo, sou uma dessas pessoas, pois votei no PT muito mais pelo medo do PSDB, do que por mérito do próprio PT. Eu sabia que o PT vinha conduzindo a economia de forma perigosa e que uma verdadeira bomba-relógio política estava prestes a explodir - mas considerei possível uma solução alternativa para este problema - solução esta que julguei ser menos amarga que a apresentada pelo PSDB e PSB durante a campanha eleitoral. Ledo engano. O PT está fazendo exatamente o que o disse que não faria, sobrando, mais uma vez, para o lado mais sofrido da população pagar o pato: a grande massa trabalhadora.

Sei que é difícil para muitas pessoas conter a raiva e a indignação pelo PT, seja pela corrupção, pelas medidas negligentes tomadas com relação à economia e pelas mentiras apresentadas durante as eleições. Sei que muitas pessoas perderam os seus empregos, que estamos de mãos atadas diante da disparada do dólar e do aumento da cesta básica, que estamos estarrecidos diante do aumento absurdo dos juros, do aumento sem limites da conta de luz... Mas, apesar de tudo isso, é preciso esfriar a cabeça e pensar de forma racional antes de cogitar a possibilidade de apoiar medidas antidemocráticas para tentar resolver o problema.


O PT venceu as eleições sendo eleito de forma democrática, ponto. Querer arrancar o PT do poder à força porque estamos insatisfeitos é um atentado contra a democracia. O tão falado impeachment não pode ocorrer só porque a maioria da população está insatisfeita ou porque o candidato favorito da oposição perdeu as eleições. O impeachment só deve ocorrer se ficar comprovado que a presidente realmente cometeu algum crime comum ou de responsabilidade, ou abuso de poder. Qualquer coisa fora isso é golpe. É preciso tomar cuidado com essa gente que acusa sem provar nada e com esses sites e blogs que forjam e distorcem notícias para convencer as pessoas do seu ponto de vista. A própria mídia é tendenciosa quando aborda este tema, sendo capaz de repetir todo o clima de golpe de Estado que foi responsável pela queda de João Goulart em 1964 e pelo impeachment de Collor em 1992 - impeachment esse que também foi um golpe, já que Collor foi inocentado por unanimidade pelo STF.
Agora junte um legislativo repleto de parasitas corruptos comprados pela plutocracia (pelo menos 70% da Câmara come na mão da alta burguesia) com a indignação em massa de grupos reacionários de direita (doutrinados por Olavo de Carvalho, bancada evangélica e a turminha da Veja) que temos um clima perfeito para um golpe de Estado. A nossa democracia ainda é muito verde e muito frágil, por isso temos que desconfiar de qualquer pedido de impeachment, afinal, só existem quatro tipos de pessoa que estão contra o PT: os que se preocupam com o futuro do Brasil, os que querem ver o circo pegar fogo, os que querem roubar no lugar do PT e os que querem manter o status quo.
O que temos que fazer é nos unir: mas não para pedir intervenção militar ou impeachment, e sim para evitar que o país entre em colapso dando um golpe duro na própria democracia. Roubando as palavras do jornalista Ricardo Boechat: "Quer tirar a Dilma do poder? Tira daqui a 3 anos, vai ter eleição". Não estou defendendo o PT, estou defendendo a democracia.
E essa nossa união precisa ser feita não para proteger o atual governo, mas sim para evitar que o país se torne ingovernável e afunde ainda mais na crise com greves gerais, inflação fora de controle e desemprego a níveis alarmantes. As coisas não devem ficar piores do que já estão, porque é o povo quem vai sofrer com isso desnecessariamente. Se quer dar o troco ao PT, que seja de forma democrática e nas urnas em 2018.


Sobre as Eleições de 2018
Na minha opinião pessoal, o PT não deveria lançar candidatura própria à presidência em 2018. Acho que o partido "fechou" o seu ciclo na política nacional e também está com a imagem muito desgastada e manchada, o que tornaria desastrosa até mesmo uma possível volta do Lula. Talvez, o ideal seria que o PT apoiasse a candidatura de outros partidos, como o PMDB, o PSB, o PDT, o PPS ou até mesmo o PC do B, formando a base aliada desses partidos. Não estou aqui desconsiderando todas as conquistas sociais que o país teve com o governo do PT: estou querendo apenas preservar a imagem do partido e também dar uma perspectiva de melhora mais profunda para o Brasil. O PT teve o seu momento de importância na nossa história, mas precisamos de renovação, de novas ideias, de novos partidos e de uma nova política.