segunda-feira, 31 de outubro de 2016

As eleições americanas e os patetas da Paulista


Não existe nada no universo que rivalize com a burrice mastodôntica da parte mais caricata da direita brasileira. O que vimos no dia 29 de outubro na avenida Paulista foi uma ofensa ao intelecto e à inteligência humana. Um bando de reacionários sem noção teve a coragem de fazer um protesto pró Donald Trump num país que é uma verdadeira colônia do Tio Sam. O protesto foi uma piada até para os próprios norte-americanos que estão se perguntando até agora o que foi que deu nos brasileiros para defenderem um sujeito que vai adotar políticas restritivas contra imigrantes do seu próprio país.

No meio dessa galerinha alucinada tinha gente que dizia que a Hillary Clinton é uma "versão americana" da Dilma por ela ser "comunista". Fato este que mostra, além da ignorância colossal, um ódio de gênero muito mal travestido por parte dos nossos reaças. E como "prova" dessa afirmação delirante, colocaram uma foto das duas juntas. Aham, Claudia, senta lá. Os rednecks brasileiros são realmente "jeniais".

Trump é uma piada de mal gosto

Que Donald Trump é uma tragédia, ninguém duvida, porém, Trump e Hillary Clinton são duas faces da mesma moeda. Qualquer pessoa que conheça minimamente os EUA sabe que o presidente da república de lá é escolhido pelo establishment – e não pelo voto majoritário. Trump representa uma parte das oligarquias; Hillary, a outra parte, com mais membros. Inclusive, Wall Street tem financiado sem o menor pudor a campanha de Hillary. Ambos candidatos são a personificação da direita americana. Ou seja: pouco importa quem ganhe as eleições, o resultado vai ser mais do mesmo do mesmo jeito. O único candidato que realmente tinha potencial para uma mudança de fato era o socialista Bernie Sanders. O resto é conversa mole. Talvez Trump tenha mais facilidade para governar devido ao parlamento de maioria conservadora que há nos EUA e aos seus supostos "negócios" com a Rússia. Mas Trump é um sujeito absolutamente imoral, preconceituoso e politicamente incorreto. Já a Hillary vai receber votos de muita gente do partido republicano, inclusive do fascistoide John Mccain e do ex-presidente George Bush, o que prova que ela não difere muito do Trump em termos políticos. Como bem disse o escritor Claudio Daniel: "Hillary Clinton apoiou a agressão norte americana à Líbia, comemorou o assassinato de Gadafi, defende a intervenção na Síria e é a maior aliada de Israel no Oriente Médio. Quem se diz de esquerda e apoia Hillary não é menos ridículo que os coxinhas partidários de Trump." Para o Brasil, pouco importa quem vença, continuaremos a ser o quintal dos EUA do mesmo jeito. É uma coisa de idiota inútil fazer passeatas no Brasil para apoiar qualquer um dos dois.

Hillary é uma marionete de Wall Street

Enfim, é irrelevante para mim o resultado das eleições americanas. Continuaremos a ser espionados, colonizados e surrupiados do mesmo jeito.

sábado, 29 de outubro de 2016

Feliz dia das bruxas!

Neste dia 31 de outubro comemora-se o Dia das Bruxas. Apesar de tradicionalmente esta data não ter nenhum festejo oficial no Brasil, não deve demorar até a adotarmos definitivamente em nossa cultura, tendo em vista a verdadeira colônia que somos dos EUA. Mas enfim, resolvi deixar registrada a minha homenagem a esta data com uma foto de três criaturas que nem precisam usar fantasia para fazer medo. Uma imagem vale mais que mil palavras (atenção, imagem chocante):

Não, essa cena de horror não foi tirada de nenhum filme e nem é montagem

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Músicas para endoidar o cabeção dos coxinhas


A mídia brasileira tem o péssimo hábito de transformar opinião em notícia. A televisão é a instrumentalização da dominação das classes dominantes contra as massas através da manipulação da opinião pública. A televisão deixa, sim, as pessoas burras, muito burras demais. Incapazes de desenvolver crítica diante de notícias tendenciosas, a população acaba tendo a mesma opinião das elites sem perceber. O que resta para as forças progressistas para se contrapor a isso é criar uma resposta dentro da arte, seja no teatro, no cinema, na poesia, na pintura ou na música. E é justamente a música que tem um papel fundamental neste sentido por ter maior alcance entre os jovens.
A seguir, algumas músicas que contestam o sistema, o capitalismo, a burguesia, o imperialismo e a desigualdade.











E que essa lista de canções não pare de crescer!

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

O Furacão Ana Júlia reacende a esperança de um futuro melhor


O discurso histórico da estudante Ana Júlia Pires Ribeiro na Assembleia Legislativa do Paraná silenciou, ou melhor: HUMILHOU os deputados presentes na sessão com uma aula de cidadania. A jovem de apenas 16 anos mostrou uma lucidez, uma sabedoria e uma retórica que há anos não vejo ninguém ter neste país. Graças ao comovente e contundente discurso da jovem, as escolas voltaram a ser reocupadas. Ana Júlia é um orgulho para o Paraná e para o Brasil.

A seguir, a fala histórica dela:


PS: Fui ler os comentários do vídeo e fiquei chocado com a agressividade dos reaças que atacaram em massa a garota. Ao contrário do que os imbecis comentaram por lá, a Ana Júlia ARRASOU, LACROU! A maior prova disso foram justamente os comentários escrotos, estúpidos, ressentidos, invejosos, machistas, macarthistas e agressivos contra a garota. É nessas horas que eu me sinto orgulhoso de ser de esquerda e de não pertencer a essa burricada de apedeutas estúpidos e despolitizados que vociferam contra uma adolescente de 16 nos que luta por um país melhor.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

A PEC da morte está a caminho


Após aprovação na Câmara dos Corruptos Deputados, a PEC 241 segue para análise no senado, onde será aprovada se não houver uma mobilização massiva da sociedade para barrá-la. É preciso fazer uma pressão gigantesca se quisermos ter alguma chance de evitar essa tragédia contra o país. É necessário ocupar espaços públicos, fazer greves gerais e organizar movimentos de grande porte para mostrar a indignação da população contra esse absurdo que só vai beneficiar os rentistas, ricos e corruptos. Limitar os gastos públicos é condenar à morte, à miséria, à ignorância e ao sofrimento milhões de brasileiros, especialmente os mais pobres. Quer cortar gastos? Então exija reforma tributária, auditoria da dívida pública, redução do aumento imoral da verba publicitária para a grande mídia e extinção das mamatas dos parasitas de Brasília. Destruir o Brasil e ainda por a culpa no governo anterior não é apenas irresponsável: é ridículo.


A seguir, um vídeo didático que explica quem ganha e quem perde com o esquema fraudulento e corrupto que há por trás dessa PEC:



terça-feira, 25 de outubro de 2016

A PEC 241 é um golpe dentro do golpe


Não é novidade para ninguém minimamente esclarecido que a PEC 241 é um ato criminoso contra o povo brasileiro. Com essa PEC da Morte, os gastos públicos – que já tinham um investimento baixo – não terão reajuste acima da inflação por 20 anos. E se acha pouco, a roubalheira vai continuar (isso se não piorar) dentro dos ministérios e a população também vai aumentar nos próximos 20 anos, causando um estrangulamento, um racionamento de recursos que piorará ano após ano. O que teremos como consequência dessa maluquice é o sucateamento total de hospitais, escolas e universidades públicas em nome do rentismo. O dinheiro que deveria ir para universidades e hospitais será usado para "honrar" os juros da dívida pública: juros esses que irão aumentar para alegria dos plutocratas. Os recursos que deveríamos estar investindo nas nossas crianças, no nosso futuro, vai para o bolso de poucas dezenas de oligarcas que só pensam no próprio enriquecimento a curto prazo. Essa política neoliberal que aí está funciona desse jeito: sucateia-se tudo que é público para justificar a privatização, reduzem-se os benefícios da previdência e cria-se o fortalecimento do sistema financeiro em detrimento dos programas sociais. Como não podem aumentar os impostos (para não dar piti na classe média), então os governos neoliberais saem cortando gastos básicos e essenciais do povo. Vai ver se algum governo neoliberal quer saber de reforma tributária, de cortar os privilégios das oligarquias, de reduzir os juros da dívida ou de diminuir os benefícios dos parasitas do Estado para sair de uma crise. Quem paga o pato nesse sistema é sempre o pobre. O Golpe de Estado dado em 2016 não foi contra o PT, foi contra o povo.

Keynes explicou: não dá para servir a dois mestres

Enquanto o povo está distraído com as arbitrariedades e a espetacularização midiática da Lava Jato, o país é destruído da forma mais cruel e covarde possível. E quem protesta contra essa PEC ocupando as escolas é tratado como vândalo, marginal e criminoso em potencial. O Brasil vive um momento realmente pavoroso.

Para terminar, um vídeo didático do canal Max Comenta sobre esse assunto:


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A espetacularização da idiotice midiática

É assim que a grande mídia vê seus leitores: como perfeitos idiotas

A Folha Falha de São Paulo teve o disparate de colocar na manchete central da capa que o "Itaquerão foi presente para Lula". Só não rolei de rir com essa piada estapafúrdia porque sei que a perseguição política ao ex-presidente Lula é algo sério. O juiz Moro cada vez mais se parece com um inquisidor pós-moderno – um Tomás de Torquemada do século 21 – e os carrascos do MP conseguem ser piores que qualquer membro do Tribunal Revolucionário da Revolução Francesa. A caçada ao Lula tornou-se uma coisa obsessiva e ridícula, fazendo da imprensa um meio de comunicação que desinforma ao invés de informar. A grande mídia burguesa parece não se cansar de fazer seus leitores de idiotas. Manchetes estúpidas como essa mostradas sem provas cabais só servem para insultar a inteligência das poucas pessoas com senso crítico que leem esses jornais.

Não: não foi notícia do Sensacionalista

A imprensa brasileira perdeu completamente a seriedade e qualquer vestígio de imparcialidade que poderia ter. A mídia age politicamente apenas para atender aos interesses de oligarquias muito ricas que monopolizam a informação, a riqueza e o poder. Enquanto isso, o país e a economia vão para o ralo com toda essa loucura neoliberal promovida pelos derrotados na última eleição.

Para terminar, um vídeo esclarecedor onde o próprio Lula coloca os pingos nos "is":

domingo, 23 de outubro de 2016

O poderio assustador das armas nucleares


Qualquer pessoa que pensa teme uma guerra nuclear, porque o poder das atuais armas de destruição em massa é absolutamente aterrador. Para se ter uma ideia da capacidade de destruição dessas armas, uma única bomba termonuclear – que usa o mesmo processo de liberação de energia que ocorre no núcleo das estrelas – possui milhares de vezes o poder das bombas que explodiram em Hiroshima e Nagasaki. Numa guerra onde milhares de bombas como essa explodem em várias partes do mundo, não há salvação para ninguém. O mundo seria destruído várias vezes com menos da metade do arsenal nuclear que existe no planeta. Por isso, nunca é demais encorajar as pessoas a serem pacifistas. A próxima guerra mundial, se houver, certamente será a última da humanidade.


A seguir, para se ter uma noção da potência dessas armas, deixo alguns vídeos com testes de bombas nucleares. O último deles foi o da temível Tsar Bomba, que foi a arma nuclear mais poderosa já detonada pela espécie humana. Note que no primeiro teste abaixo a bomba tem "apenas" 8 kilotons, já no último, o da Tsar Bomba, tem 50 megatons: 6.000 vezes mais potente.













sábado, 22 de outubro de 2016

Somos o chorume da evolução das espécies

É um escárnio total chamar uma espécie dessa de "evoluída"

Num dia desses, estive assistindo com um olhar mais crítico o videoclipe da canção Do The Evolution, do Pearl Jam, gravado em 1998. O clipe e a música sintetiza de maneira muito objetiva o que nós, humanos, de fato somos. O clipe responde em alguns minutos sobre quem somos, de onde viemos e para onde vamos de maneira visceral e direta. Daí concluí que não há como uma espécie animalesca, agressiva, territorialista, tribal, parasita, predatória, odienta, destruidora e egoísta como a nossa sobreviver em um longa escala de tempo neste planeta. Por essas e outras eu duvido que, por exemplo, façamos contato com outras espécies alienígenas ou que possamos criar um mundo justo na Terra. Jamais será possível a existência de paraísos onde houver seres humanos. Somos uma praga, um câncer neste planeta. Uma espécie gananciosa, escrota, preconceituosa, imediatista e burra como a nossa não tem futuro a longo prazo. A autodestruição está gravada no nosso DNA, de modo que temos que lutar permanentemente contra esse nosso ímpeto destrutivo e violento que sempre esteve presente em todas as culturas. A única diferença que temos para os outros animais é que nós achamos que somos pensantes por ter um cérebro maior e dois polegares opositores. Se a nossa espécie durar mais cinquenta anos é muito. A única dúvida que temos é se a causa da nossa extinção será a alteração climática ou a guerra nuclear. Desculpe a honestidade, mas não somos seres evoluídos. Somos o chorume da evolução das espécies.

O que esperar de bom de uma espécie que provoca essas coisas?

A seguir, o clipe do Pearl Jam que me inspirou essa pequena reflexão:


sexta-feira, 21 de outubro de 2016

As consequências de uma guerra nuclear


Na noite passada, tive um sonho muito estranho. Sonhei que estava observando as constelações durante a madrugada e, de repente, vi um clarão muito forte no céu. O clarão foi tão intenso que, apesar de ter ocorrido distante de onde eu estava, clareou todo o firmamento, transformando a noite em dia. Achei que se tratava de uma explosão de supernova, mas pouco tempo depois, veio uma onda de choque poderosa que destruiu tudo que havia pelo caminho. Tentei fugir inutilmente da onda de destruição até ser atingido por uma escuridão repentina que me pegou. Daí em diante, o resto do sonho foi uma escuridão total, com abstrações incognoscíveis se passando pela minha cabeça, sons confusos e a sensação de estar flutuando no nada. Quando me acordei desse pesadelo, concluí que o que ouve nele foi uma explosão nuclear. Daí fiquei refletindo a respeito da possibilidade de algo assim ocorrer na realidade.

Atualmente, estamos entrando numa espécie de segunda Guerra Fria com a tensão política crescente entre EUA e Rússia devido à guerra na Síria. Nunca se falou tanto em terceira guerra mundial, em abrigos nucleares, em estocar alimentos e em repensarmos sobre o significado da existência. Sabemos também que os sistemas de detecção de mísseis nucleares tanto dos EUA quanto da Rússia são cheio de falhas e ocasionalmente dão alarmes falsos. O que quero dizer é que existe um risco considerável de haver uma guerra nuclear entre os dois maiores arsenais atômicos do planeta. Para se ter uma ideia, uma única bomba atômica hoje tem a capacidade destrutiva de todas as bombas que explodiram durante toda a Segunda Guerra Mundial reunidas. Aquelas bombas de fissão nuclear que destruíram Hiroshima e Nagasaki são brincadeira de criança se comparadas com as bombas de fusão que existem hoje. Isso nos leva a crer que numa troca nuclear completa com milhares de super bombas explodindo, teríamos a destruição total da civilização. Seria o fim dos dias para todos nós.

Numa guerra nuclear teríamos Hiroshimas e Nagasakis em todos os lugares

Numa guerra nuclear, nem todo mundo morreria instantaneamente com as explosões. Haveria outras agonias. Teríamos uma grande legião de queimados, de deformados, de cegos, de cancerosos, de crianças nascendo mortas, escassez de alimentos, falta de remédios, ausência de cuidados médicos, chuva radioativa contaminando a água e o solo. Isso sem falar no temível inverno nuclear, que seria formado pela obstrução total da luz solar em todo o planeta devido à fumaça suspensa na atmosfera oriunda dos incêndios causados pelas explosões. Sem luz solar, as temperaturas cairiam abaixo de zero em todo o planeta, teríamos uma nova glaciação, as plantas morreriam, os animais que se alimentam das plantas também morreriam, a cadeia alimentar seria irreversivelmente afetada, a água estaria imprópria para o consumo e haveria uma disputa de vida ou morte pelo que restasse de suprimentos.
Milhares de espécies de plantas e animais desapareceriam para sempre e a contagem regressiva para extinção total da nossa espécie seria uma consequência natural de toda essa loucura. Guerras civis ocorreriam em todos os lugares e não haveria mais leis a não ser a lei da sobrevivência. Seria um verdadeiro inferno na Terra, um holocausto nuclear onde bilhões de inocentes morreriam. Se, por algum milagre, a espécie humana não fosse totalmente extinta, voltaríamos ao paleolítico, vivendo debaixo de escombros, do frio, da escuridão e devorando uns aos outros para não morrer de fome.

Um mundo pós-guerra nuclear não seria muito diferente disso

Espero, honestamente, que guerras nucleares ocorram apenas em pesadelos, porque do contrário, a nossa espécie será varrida de vez deste planeta. Há quem diga que a guerra nuclear é inevitável... Eu gostaria muito de acreditar que isso é apenas pessimismo.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

O gambito de Moro


No xadrez existe uma jogada realizada no início da partida chamada gambito. Esta jogada consiste em oferecer um peão para sacrifício em troca de uma vantagem estratégica. E eu diria que foi mais ou menos isso que foi feito no dia 19 de outubro, quando foi decretada a prisão preventiva do ex-presidente da câmara Eduardo Cunha, ordenada pelo juiz Sérgio Moro.
Quem não nasceu ontem sabe muito bem que nada na política acontece por acaso, e essa prisão claramente não foi uma exceção. As velhas oligarquias por trás de Moro executaram um gambito, sacrificando o Eduardo Cunha no momento e na circunstância oportuna. A maior prova disso foi que Cunha só perdeu o mandato depois do impedimento consumado da ex-presidente Dilma Rousseff. Ele foi descartado pelas oligarquias após cumprir o seu papel no golpe. Já que não tem mais utilidade, resolveram deixá-lo sob custódia. Enfim, tudo não passa de um jogo de cena: uma dramatização de quinta categoria para "provar" uma imparcialidade que não existe.
Quem realiza um gambito no xadrez tem como objetivo encurtar o caminho rumo à captura do rei adversário, dando a falsa impressão de generosidade. Para posar de imparcial e de justo, o juiz age de forma semelhante ao árbitro de futebol que expulsa um jogador de cada time após uma briga. De um lado, expulsa o craque artilheiro; do outro, o zagueirão perna de pau. Dois jogadores foram igualmente expulsos, mas o time do craque foi que realmente saiu perdendo. Isso me parece tão ridiculamente óbvio...
Será que o FHC Brasif e seus ex-ministros também serão presos? Ou isso seria imparcialidade demais pro juizão da republiqueta de Curitiba?


quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Guest post: A importância da vitória castrista em Cuba


Em uma pergunta postada há sete anos no Yahoo Respostas sobre viagens dos EUA para Cuba e vice-versa, uma das respostas me chamou atenção por sua profundidade, lucidez e clareza. Um dos usuários fez uma longa explanação, refletindo sobre a situação de Cuba e derrubando muitos mitos sobre o país. Claro que as coisas hoje são diferentes, uma vez que o governo Cubano passou a permitir legalmente viagens dos cubanos para o exterior. Porém, a resposta do cidadão foi tão cheia de informações, que me senti na obrigação de copiá-la para este blog.

A resposta dele segue abaixo, na íntegra, em azul:
----

"O Jornal Nacional exibiu há pouco tempo uma reportagem sobre um eventual crescimento dos cubanos que fogem de barco para os Estados Unidos. Passei da fase de defender Cuba. Esse tema sempre atiça como nenhum outro os hidrófobos da direita e ninguém merece perder tempo discutindo com esse tipo de gente. Mas outro dia li uma matéria que me emocionou: Cuba já curou mais de 1 milhão de cegos, através do programa Milagro, pelo qual o sistema de saúde cubano trata pessoas com problemas de vista de todo mundo.

Como dependo visceralmente dos meus olhos, tenho um apreço místico pelo poder da visão, que considero prova de uma inteligência superior regendo o universo. Um país tão pobre, tão pequeno, que ajuda tanta gente, a baixo custo ou mesmo custo zero, é mais uma prova da imensa dignidade do povo cubano. Por isso, gostaria de fazer algumas observações sobre essa tendenciosa reportagem do Globo, muito provavelmente cópia de alguma matéria patrocinada pelo lobby americano, o qual inclusive deve ter fornecido as imagens usadas na reportagem.

Acho que nenhum país deve proibir seus cidadãos de saírem do país. Essa proibição é controversa e relativa, pois que os cubanos podem visitar outros países, desde que convidados. Por outro lado, a reportagem do Globo é mentirosa por diversas razões. Primeiramente, não diz que uma das razões que tornam a vida em Cuba tão difícil (talvez a principal razão) é justamente o embargo econômico imposto pelo governo americano, que proíbe empresas americanas ou com negócios nos EUA de investirem na ilha. Os próprios americanos são proibidos de fazerem turismo na ilha - quando o fazem são obrigados a viajarem por México ou Canadá e com risco de serem multados ou processados. Sendo a potência que é, não é difícil imaginar que poucas empresas têm condições de enfrentar esse embargo desumano, rechaçado sistematicamente por 99% das nações do mundo, sempre que o tema é levado para as Nações Unidas.

Além disso, é preciso observar que os cidadãos de todos os países caribenhos querem ingressar nos EUA, por razões óbvias: é um país com uma economia gigantesca, com quase infinita disponibilidade de empregos, em contraponto às economias pobres da América Central. E Cuba é uma economia pobre, apesar dos avanços em medicina, educação e esportes. Cuba tem pouquíssimos recursos naturais e baixo desenvolvimento industrial. De maneira que, mesmo que o regime cubano liberasse o ir e vir de seus habitantes, essa diáspora continuaria a acontecer. A ironia da história é que, possivelmente, assim que Cuba liberar o ir e vir, os EUA irão iniciar uma repressão mais severa contra a entrada de imigrantes cubanos no país.

Há um fator histórico que as pessoas costumam esquecer quando analisam o fenômeno Cuba. Quem derrubou o regime democrático cubano não foram os guerrilheiros castristas. Ao contrário, Fidel Castro e os cubanos eram defensores da democracia. Antes de se tornar guerrilheiro, Fidel, assim como tantos outros, era um estudante com aspirações políticas totalmente democráticas. Quem derrubou a democracia em Cuba foi Fulgêncio Batista, em 1952, com ajuda militar e financeira direta do governo dos Estados Unidos. Os guerrilheiros castristas, portanto, lutavam contra uma DITADURA, que já durava quase uma década.

Outros governos democráticos, eleitos pelo sufrágio popular, foram derrubados com ajuda americana nos vinte anos seguintes. Salvador Allende, presidente ELEITO do Chile, foi assassinado em 1973, enquanto ocupava a presidência da república, por caças americanos que bombardearam o palácio de governo. Aqui no Brasil, o regime democrático foi derrubado por militares mancomunados com a política externa americana. Ou seja, quem tem sido, nas últimas décadas, o maior inimigo da democracia na América Latina: Cuba ou os Estados Unidos? Cuba nunca derrubou regimes democráticos latinos. No máximo, ajudou, desastradamente, com os recursos ínfimos que possuía, a restaurar a democracia em países como Brasil e Chile.

Cuba tem seus problemas. São sérios. Tem suas contradições. Que são graves. Mas que país não as têm? A Arábia Saudita também não tem democracia e as autoridades americanas são só elogios para seus príncipes. Por quase três décadas, os EUA foram cúmplices de ditaduras militares na América Latina. Por três décadas, colaboraram com a derrubada de regimes democráticos. Essa é a verdade. Devido a sua fragilidade militar e instabilidade política, a democracia nos países caribenhos nunca inspirou confiança ou trouxe bem estar para seus habitantes. Não esqueçam que os EUA não apenas colaborou com a derrubada de governos democráticos, como intervinha nos processos eleitorais. E assim esses países foram devastados por décadas de tortura, totalitarismo e miséria. Portanto, temos uma explicação muito consistente para a desconfiança de Fidel Castro em relação às maravilhas da democracia.

Cuba tem seus problemas, sim. Eu não gostaria de nascer em Cuba. Mas queria muito menos nascer no Haiti. Também não queria nascer no Complexo do Alemão, nem na favela da Maré. Cuba tem seus problemas, mas também tem soluções, cineastas, músicos, atletas, intelectuais e muita dignidade. Se os atletas cubanos querem fugir do país, é um problema decorrente da superpopulação de talentos, resultado por sua vez de uma educação exemplar. Como explicar que Cuba ganhe campeonatos contra os EUA, que obtenha mais medalhas de ouro que países como Brasil e Argentina, que possuem populações e PIBs cinquenta vezes maiores?

Os hidrófobos da direita brasileira podem continuar babando seu ódio contra a pequena ilha caribenha, mas quem estuda a história política da América Latina sempre saberá avaliar a importância da vitória da revolução castrista sobre a ditadura de Fulgêncio Batista."



Fonte.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Enquanto isso, em Cuba...


Qualquer observador minimamente imparcial percebe que o Brasil transformou-se numa nação onde uma nova religião tem ganhado força: a religião neoliberal. Essa 'religião' emburreceu as pessoas de tal modo, que idolatrar o deus Mercado e demonizar certos países "subversivos" virou praticamente uma obrigação cívica entre seus seguidores. Num país onde os reacionários da internet se consideram "revolucionários", difamar os países independentes do imperialismo virou senso comum até para quem não é dessa seita política.
Como eu não sou dessa turma aloprada que defende livre mercado, "meritocracia", Estado mínimo, privatizações e que repete babelicamente que "imposto é roubo", vou desafiar o status quo mais uma vez e ousar mostrar que Cuba não é o "inferno na Terra" que pintam por aqui.

A seguir, algumas notícias que mostram que Cuba é um pouco diferente do que os neoliberais brazucas contam:

-WWF aponta Cuba como o único país com desenvolvimento sustentável.

-Cuba supera Japão em porcentagem de centenários.

-Cuba é o único latino-americano a atingir metas de educação, diz Unesco.

-Cuba é o terceiro país com mais mulheres parlamentares.

-Cuba não registra vítimas fatais após passagem do furacão Matthew.

-Chefe da ONU elogia médicos de Cuba e afirma que país pode ensinar ao mundo como cuidar da saúde.

E se achou pouco, neste outro post ainda tem mais.

Pois é, parece que Cuba não é esse inferno todo que tentaram te convencer que era...

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Vivemos em um país de hipócritas, em um mundo de hipócritas


Poucas vezes um vídeo retratou tão bem a hipocrisia da raça humana de forma tão direta e concisa. Mesmo o país do vídeo não sendo o Brasil, ele é exatamente como o Brasil. Reflitam:

domingo, 16 de outubro de 2016

Homem primata, capitalismo selvagem


Todo mundo que passou pelo ensino fundamental sabe (ou deveria saber) que o capitalismo é um sistema competitivo e excludente para acúmulo de riqueza e exploração. Portanto, é um disparate falar em "capitalismo humano", como alguns românticos gostam de teorizar sobre a "domesticação" desse sistema. O máximo que pode haver dentro desse modo de produção é uma regulação estatal para evitar colapsos econômicos como a grande depressão de 1929. Devido à ganância e ao individualismo que se naturalizam dentro deste sistema, mesmo com regulação estatal, não há como haver justiça social de fato dentro do capitalismo. Quem optar por defender o capitalismo precisa saber que ele nunca será totalmente justo.

Também não existe democracia dentro do capitalismo. Como bem disse o professor de ciências políticas Luis Felipe Miguel: "A democracia é apenas tolerada pelas classes dominantes. Quando funciona do jeito que desejam, serve de mecanismo de apaziguamento do conflito e contribui para a manutenção da dominação. Mas sempre há o risco de que a promessa de igualdade política seja levada a sério e voltada contra os dominantes. Nesse caso, eles não hesitam em descartar a democracia e retornar a formas indisfarçadamente autoritárias de governo".

Capitalismo é o sistema onde o rico rouba o pobre

Temos que parar com essa idolatria cega a essa meritocracia de fachada que só vale para quem possui dinheiro. O capitalismo só deu certo para quem tem capital e para quem faz parte da classe dominante. Isso sem falar nas guerras, na destruição da natureza, no consumismo desenfreado, nas mortes por inanição, na violência e na pobreza criminosa que esse sistema desigual gera. Precisamos de um sistema melhor, mais justo, mais humano e mais igualitário. Do contrário, a humanidade estará condenada a apodrecer dentro do pior sistema que os primatas falantes da Terra puderam criar.


sábado, 15 de outubro de 2016

O Brasil está entrando num processo de caos social


A Revolução Francesa, para quem não se lembra, ocorreu quando o 3º estado, formado pelo povo, se revoltou contra a nobreza parasitária e o clero. No Brasil, a elite e os políticos se parecem exatamente com a nobreza e o clero ao manter seus privilégios e ao explorar o resto do povo. Estamos, sob essa ótica, em um clima insurgente propício para o surgimento de um novo Robespierre e um Terror jacobino. O problema do Brasil é que a grande mídia burguesa – que recebeu benefícios generosos dos golpistas – consegue manipular a opinião pública de forma tal, que qualquer pensamento subversivo é colocado como antipatriota. Num país onde a lógica do cada um por si é que impera, o máximo de organização que alcançamos é um vomitaço coletivo nas páginas dos políticos capachos da elite nas redes sociais. Como aqui nunca houve guerras civis e nem revoluções, o caos interno, em geral, se converte em violência urbana, onde quem tem se protege de quem não tem. Nada poderia representar melhor a falência de uma nação. Como esperar algo de bom de um país cujo Estado só existe para honrar os juros da dívida interna e entregar as riquezas para as multinacionais estrangeiras? A coisa vai piorar, e muito. Quem não estiver disposto a lutar por uma revolução ou viver em um clima de violência urbana desenfreada, recomendo que pense seriamente em morar em outro país. Não dá para viver em paz num país de miseráveis onde o rentismo reina soberano.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Guest Post: A Marcha da insensatez

Relações entre Rússia e EUA têm se tornado perigosamente difíceis

Não gosto de publicar textos escritos por outras pessoas, mas quando um texto que considero importante é bem escrito e possui um conteúdo relevante, acho justo compartilhá-lo. A seguir, vou deixar um comentário que o leitor José Carlos Ziolkowski deixou no site Sputnik News que tratava sobre o iminente estado de guerra entre EUA e Rússia. Apesar de achar alguns pontos exagerados, no geral, o comentário dele foi bastante condizente com a atual conjuntura geopolítica internacional.
Segue na íntegra, em azul:

"A política externa dos EU e lacaios, os latrocinadores ocidentais, fora copiado dos romanos, cujo objetivo se reduz: matar pelo assassínio seletivo de oponentes, matar através da agressão militar, dar golpes de Estado por via branda, comprando políticos corruptos, justiça corrupta, enfim, enfraquecendo oponentes até que possam roubar a sociedade dominada, saqueá-la e escravizá-la. Essa política é administrada por um grupo de banqueiros poderosos, psicopatas em ultimo grau, que creem que podem se tornar o poder único sobre todos os povos. Hoje, esses psicopatas dominam mais de 90% da riqueza do planeta, enquanto 2 bilhões de pessoas não tem nada para comer. Dominam os bancos, a mídia ocidental, a indústria de armamentos e os governos através dos serviços de inteligência, da corrupção e da difamação de entes públicos civis e militares, utilizando os mega veículos de propaganda aos quais tem pleno domínio, demonizando os oponentes publicamente e enaltecendo seus próprios capachos. Se sustentam em um emaranhado e sábio sistema financeiro que mantém todos os corruptos de poder sobre a terra dependente e escravo do dólar furado, moeda de reserva de valor, criada e imposta pelo império e que compra a tudo e a todos no planeta em que vivemos.
Os EU tem hoje implantado ao redor da terra cerca de 800 bases militares, admitida por capachos implantados por uma daquelas técnicas acima descrita. Essas bases têm o objetivo de garantir a segurança da conquista alcançada e manter os capachos implantados sob total domínio, escravizando o próprio povo. Enfim impondo as regras de conduta nas áreas conquistadas. Exploram todo o tipo de riqueza: mão de obra, bolsa de valores, recursos naturais, drogas, comunicação, água, energia, enfim tudo que possa converter em dólar sem pagar impostos e convergir aos cofres do império.
Os governos capachos não passam de meros porta-vozes dos interesses dos banqueiros dominantes. As pesquisas informais afirmam que cerca de 13 famílias de banqueiros mais poderosos dominam a maior parte da riqueza do planeta e escravizam metade da população da terra. Mas querem mais, lutam como cavaleiro de Sevilha para conquistar toda a riqueza e escravizar o restante dos povos, tornando todos de joelhos aos seus pés.


Essa marcha insensata tem sido a causa de intermináveis guerras durante milênios de historia humana e está encurralando potencias nucleares a dar uma resposta firme a essa insanidade podendo até haver um enfrentamento nuclear devastador ao planeta e aos povos inocentes em todo o mundo.
Forças oponentes poderosas (Rússia e espero que China) tem se insurgido com veemente interesse em defesa da própria segurança ameaçada e da garantia de independência de outros povos, como exemplo Oriente Médio devastado por guerra por procuração imposta pelos EU e lacaios e golpes de Estado recentes como no Paraguai, Brasil, Argentina, e outros na África, América Central, enfim em todo o Planeta. Intensificam agora as ameaças contra Rússia, China, Irã, Coreia do Norte, Venezuela, Bolívia uns dos últimos redutos ainda não conquistados.
O dólar é a galinha de ovos de ouro do império, adquiriram todo o tipo de riqueza do mundo por meio desse papel que não tem lastro, mas é imposto por legislação e defendido a ferro e fogo pelo poder militar do império. Houve tentativas de se tornar independente do dólar quando Saddan Hussein e Omar Kadaff iniciaram negociações em euro, não permitido pelo império. Infelizmente, os dois foram depostos e mortos pelo Império: tal quais os Romanos faziam com os oponentes deles para que não houvessem exemplo de insurgência de sucesso sem a devida punição.


Essa política de enfraquecimento do dólar tem sido encarada com seriedade pelos Russos e Chineses, através da criação de um sistema de conversão de moedas em Yuan, na China, sem a intervenção do dólar e negociações significativas entre os dois países nas próprias moedas deles. Até então havia somente o sistema de conversão de moedas de todo o planeta ao dólar, comandada pelos EU. Essas medidas parecem brandas, mas de um significado muito forte a médio e longo prazo, com a aderência de outros países a esse sistema de conversão e negociações em moedas próprias. Mesmo porque uma queda repentina do dólar, mesmo que possível, não seria interesse da classe dominante mundial, pois traria quebradeira do sistema financeiro como um todo, em todo o mundo. Logicamente, essa política de defesa contra o dólar somente poderá ter sucesso com a liberdade e segurança de ação das superpotências nucleares Rússia e China. Essas atitudes logicamente enlouquecem os psicopatas do império, que se não fosse intimidado pelo poder militar de seus desafiadores já teriam invadido os dois países e eliminados seus estadistas Putin e Xi Jinping. Encomendaram, sim, o assassinato de Putin, por duas vezes, sem sucesso. Logicamente, um assassinato de um dos dois fortes oponentes ao império seria uma declaração de guerra nuclear.
Rússia e China têm sido uma pedra no sapato do império, dificultando ou impedindo o domínio sobre o planeta global. Uma das técnicas pervertidas dos psicopatas do império é demonizar os oponentes através de suas medias para desmoralizá-los perante a opinião pública mundial na tentativa de enfraquecê-los politicamente tornando uma presa fácil aos seus tentáculos.
As guerras impostas pelo Império do mal em todo o mundo deixam milhões de mortos de inocentes civis, mulheres e crianças, destruição da infra-estrutura do pais, radiação, abandono, miséria, fome e desesperança, tudo porque esses países querem manter a liberdade de ação e independência e não aceitam ser ultrajados pelos desejos do Império do mal. 


Logicamente, argumentos decentes, racionais e lógicos não têm qualquer efeito sobre os psicopatas satânicos do Império. Se autointitulam os "escolhidos por Deus" (quando esta provado que Deus fora uma invenção humana do homem para dominar o homem) para guiar o mundo, ou seja dominá-lo, os mentores do planeta, os únicos capazes de ditar as regras sobre os povos. Essa arrogância está tão encarniçada na mente desses psicopatas que se torna um escudo impenetrável a razão e argumentos.
Com esse sentimento de superioridade doentio, os psicopatas do império cometem todo o tipo de ultrajes sobre os mais pobres e indefesos sobre a Terra, tendo respeito apenas dos fortes, aos quais tentam enfraquecê-los para que possam tornar presa fácil e assim destroçá-los.
Não fosse o poder militar de Rússia e China o mundo já teria sido uno e todos estariam de joelhos aos pés dos psicopatas do império. A escravidão global estaria assim conquistada.
A esperança da humanidade em se ver livre e dona de seu próprio destino, está dependente da vitoria da Rússia e China sobre o império dos psicopatas do mal. Em caso contrario esperem um destino tenebroso."


José Carlos Ziolkowski 


quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Lula tornar-se-á mais um mártir


Muitas das pessoas que vociferam impropérios contra o ex-presidente Lula, desejando sua prisão e até mesmo a sua morte, são pessoas que fazem exatamente o que outras pessoas de gerações atrás também fizeram contra outros líderes. As elites de outrora também tinham seus veículos de comunicação oficiais que tratavam de difamar pessoas particularmente perigosas para o sistema, criando, dessa maneira, um ódio induzido muito forte na população contra os difamados. As pessoas aprenderam a odiar grandes líderes e a aceitar a pena capital como punição justa para eles. Temos alguns exemplos bem conhecidos desses verdadeiros mártires.

Tiradentes – tratado como um criminoso, traidor e lesa-majestade – foi o escolhido para ser enforcado entre os inconfidentes. Antônio Conselheiro, em Canudos, foi considerado um louco, fanático religioso e monarquista perigoso: mentiras essas que justificaram o seu assassinato e a aceitação popular do mesmo. Lampião, o Rei do Cangaço, também foi tratado como um bandido perigoso, um psicopata, um genocida: fato que justificou sua caçada e morte. Agora está sendo com Lula, que é taxado pela grande imprensa como corrupto, bandido e marginal que "destruiu o Brasil".

A semelhança entre Tiradentes, Antônio Conselheiro, Lampião e Lula é bastante evidente: todos foram pobres, vindos de classes subalternas, de posições sociais baixas, subversivos e representavam um grande perigo para as elites dominantes. O final dessa história é bastante óbvio. Se não matarem o Lula fisicamente, o matarão politicamente e moralmente. A sede de sangue e o ódio da massa enfurecida será saciado mais uma vez. O que estará escrito nos livros de história do futuro será exatamente o que estou a escrever aqui: um operário que ousou ser presidente recebeu a pena capital por contrariar os interesses da elite.

Mas o que há de novo nisso? Simples: que no século XXI, mais do que em outras épocas, as ideias fluem muito mais rapidamente graças ao mundo digital. Mesmo que Lula morra, suas ideias permanecerão vivas em muitas outras pessoas. Serão milhões de Lulas nas favelas, na caatinga, na periferia, nas universidades, nos sindicatos, nas redes sociais e nas ruas. Como já dizia uma frase de não lembro quem: "a ideia é o parasita mais persistente que existe". Pessoas morrem, mas as ideias não morrem jamais. Outros Lulas virão e saberão exatamente o que acontece com quem tentar desafiar o sistema: mas ao mesmo tempo saberão também como enfrentar esse sistema caduco que comanda o Brasil há 516 anos, porque o jogo da elite ficou muito claro neste último e desastrado golpe. Esse moralismo hipócrita das oligarquias está notavelmente saturado. Pode até demorar, mas a plutocracia sabe bem que tudo que tem um começo, terá um fim. É inevitável.

Lula é do povo

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Neoliberal pobre é o capacho perfeito da plutocracia


São poucos os países do mundo que podem se gabar de ter uma democracia. A maioria das nações ainda vive no trinômio despotismo-oligarquia-plutocracia. E com o Brasil não é diferente. Quem manda nas terras tupinambás são as elites econômicas, mais conhecidas como plutocracia. O que acontece hoje no Brasil de Temer, da Fiesp, da mídia corporativista, dos banqueiros, dos especuladores, dos acionistas, dos magnatas, do agronegócio e dos rentistas é a forma mais descarada e predatória possível de uma autêntica plutocracia. Pobres, neste sistema, só entram no orçamento para pagar sozinhos pela crise junto com a ingênua classe média. Parte dessa classe média, que se acha esclarecida por seguir a religião neoliberal e se informar pelos meios de comunicação da elite, está tão anestesiada pela lavagem cerebral midiática, que nem sente o tamanho do fumo que está levando. Essa classe média alienada aplaude quando o governo reduz gastos públicos, mas não estranha o fato desse mesmo governo não reduzir impostos, não fazer reforma tributária, não fazer reforma política, não colocar os 1% mais ricos para pagar impostos justos, não reduzir os salários dos políticos e nem reduzir os juros da dívida pública. Auditoria da dívida pública então, nem pensar!
Essa nossa elite plutocrata mantém esse sistema desigual e injusto porque é imediatista, não quer esperar o país crescer, quer o lucro já e rouba descaradamente todos os brasileiros através de seus métodos sujos institucionalizados. A verdadeira corrupção é a que vem dessa classe dominante que só pensa em si mesma e no lucro a curto prazo.

Ora, saia desse mundinho de fantasia, caro miguxo liberal. Os políticos não tiveram um "surto de lucidez" para aprovar esse arrocho, esse corte criminoso nos gastos públicos. Eles aprovaram isso por pura pressão das classes dominantes. Certamente, houve muita grana por baixo dos panos para convencer esses políticos a votarem massivamente a favor dessas medidas restritivas e da entrega do Pré-sal. Falando nisso, só para não passar batido, o sistema político de coalizão brasileiro só funciona de duas maneiras: ou dando cargos ou comprando os votos dos congressistas. Daí a facilidade da direita e dos ricos em manipular o sistema político totalmente a favor deles. E aí o neoliberal pobre acha que tá tudo lindo, tudo maravilhoso e que se as pessoas "trabalharem duro", serão "futuras plutocratas". Ahaha, a idiotice humana realmente não tem limites, como dizia o socialista Albert Einstein.
Esse macarthismo – essa perseguição a todos os partidos de esquerda que está impregnado na atual sociedade – é uma maneira de manter esse status quo. Sem oposição, a elite e seus capachos estarão livres para conduzir o Brasil inteiramente a favor deles e somente para eles.

E aí, Temer?

Concluindo: botem de uma vez por todas nessas cabeças ocas de vocês: neoliberalismo só é bom para os 1% mais ricos. Se você tiver consciência de classe e deixar de ser individualista, vai perceber que é apenas mais um pobre pensando que é alguma coisa só porque pertence à "classe média". Enquanto essa conscientização não acontecer, você continuará sendo um analfabeto político manipulado pelas elites que acha que neoliberalismo é bom para os pobres.


Para terminar, primeiro deixo um comentário bastante lúcido do colunista do Viomundo Gustavo Castañon sobre essa elite podre brasileira que é responsável diretamente por esse projeto neoliberal kamikaze que aterroriza o país. E depois uma entrevista educativa do jornalista Luis Nassif ao professor e pesquisador Jessé Souza.

"A elite brasileira é a mais imoral e cruel do mundo. Nunca, jamais na vida ou nos livros de história vi ela aceitar dividir o ônus de qualquer crise com o povo e a estúpida classe média. Em vez de colaborar diminuindo seus rendimentos parasitários imorais, permitindo aumento de alíquota de imposto de renda ou aceitar pagar imposto sobre lucros financeiros, corta casa, saúde que já não existe, educação que já não existe. Em pleno século XXI. Nenhum país jamais mereceu um terror jacobino ou uma revolução bolchevique mais que o Brasil".  (Gustavo Castañon)


terça-feira, 11 de outubro de 2016

A PEC 241 é a institucionalização da falência do Brasil


Sim, camaradas, o Brasil está à beira do precipício. Será que é demais pedir para as pessoas imaginarem o quão grave é limitar os gastos públicos pelos próximos 20 anos? Será que alguém tem noção do ABSURDO que isso realmente significa? Toda essa maluquice que está acontecendo faz parte de um projeto neoliberal falido que vem sendo imposto pelo governo golpista contra a população deste país. Essa PEC maquiavélica é um cavalo de Troia contra todos os brasileiros – exceto, claro, contra a minúscula subfração de privilegiados que articularam esse golpe contra a nação e a favor deles.
Pare e pense no tamanho dessa insanidade: os gastos com saúde, educação e outros setores básicos não serão reajustados acima da inflação até 2036! Ou seja: a população vai aumentar, a demanda vai aumentar, a necessidade de investimentos nas áreas mais básicas também vai aumentar, mas os gastos públicos estarão congelados. O que deveria ir para saúde, educação, segurança pública, saneamento básico e outras áreas irá para o bolso de banqueiros, megaempresários, rentistas e plutocratas em geral através dos juros da dívida interna que não terão limite. Ou seja: é um verdadeiro ASSALTO à nação feito pela união das forças de cleptocratas e plutocratas neste pós Golpe. Essa estratégia neoliberal é um roubo descarado dos ricos contra os pobres, como se o Estado brasileiro fosse um Robin Hood ao contrário.
E o mais irônico disso tudo são os nossos amigos coxinhas comemorando cada vez que Temer sinaliza um corte de direitos, como se isso fosse uma "derrota do PT". Pelamordedeus! Vamos acordar e deixar de ser aloprados por favor.


Mas é claro que essa canalhice dos golpistas não vai parar por aí. Depois do Pré-sal e dessa PEC 241, ainda resta o ataque à CLT e à previdência social.
Se você é daqueles que acha que "menos Estado" é a solução, mas não está entre os 0,05% mais ricos, pode ter certeza que a vida de um cubano (que tantos liberais dizem ser um inferno na Terra) será muito melhor que a sua: e você aprenderá isso da maneira mais dolorosa possível. O PT não quebrou o Brasil: o que vai quebrar o Brasil é essa política voltada para as minorias muito ricas que não têm o menor remorso em destruir a vida e futuro de 99% dos brasileiros em prol dos próprios interesses. E a área mais penalizada nessa história toda será a educação. Com corte de gastos recorde, com disciplinas importantes sendo extirpadas e com o debate político suprimido das escolas, teremos uma geração inteira de brasileiros verdadeiramente analfabetos e incapazes de pensar de forma crítica.

A hora de protestar contra toda essa patifaria é agora, porque depois talvez não tenhamos sequer liberdade para tal.


E para não perder o hábito, dois vídeos rápidos no final para mostrar a realidade por trás das distorções da mídia:


segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Uma aulinha de história para parar de falar besteira sobre o socialismo

Será que esse povo todo apoiou o socialismo para "socializar a miséria"?

Algumas pessoas acham que eu sou burro e intolerante por ser de esquerda; porém, os verdadeiros burros e intolerantes são aqueles que enchem a boca para falar mal do socialismo, do comunismo e do anarquismo sem ter a mínima ideia do que esses conceitos significam. Antes de sair berrando que nem um demente espantalhos infantis por aí como "comunista come criancinha", que "esquerdista é vagabundo" e que "socialismo é a igual distribuição de misérias", procure entender o que são realmente essas ideias.
Pelo bem do debate, vou deixar um vídeo didático a seguir onde um professor explica o que são o socialismo e o anarquismo através de uma perspectiva histórica. Pode ficar tranquilo que o vídeo não tem nenhuma "doutrinação", como os analfabetos políticos costumam alegar por aí a respeito das aulas de história. O que é exposto na aula a seguir é conhecimento. O vídeo é longo, mas vale muito a pena ser assistido.



Einstein era socialista, será que ele era burro e preguiçoso por isso? Reveja seus conceitos.