sábado, 19 de agosto de 2017

Para o mundo que eu quero descer!


Numa mesma semana tivemos uma overdose de notícias ruins que nem os piores pessimistas poderiam imaginar ser possível. Foi passeata da extrema direita nos EUA e na Europa, presidente americano condizente com neonazistas, gente sendo assassinada em protestos nos EUA, atentado terrorista em Barcelona, uma mini Guerra Fria entre EUA e Coreia do Norte, ameaça de invasão militar na Venezuela, Ministro da suprema corte brasileira soltando bandidos, redução do salário mínimo... É muita desgraça para uma semana só!
Nunca fui capaz de imaginar um futuro tão tenebroso quanto o que temos hoje. Parece que a Lei de Murphy resolveu pegar pesado desta vez.
Para o mundo que eu quero descer!

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Brasil leva outro 7 a 1, desta vez para Cuba


É engraçado como algumas pessoas são totalmente alienadas não apenas com relação à realidade de outros países, mas também com a do próprio país. Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), Cuba está a sete posições de diferença acima do Brasil no IDH. Cuba ocupa atualmente a 67º posição, enquanto o Brasil está na 75º. Se fôssemos comparar a riqueza do Brasil e de Cuba proporcionalmente – e tomando como referência o PIB per capita – o Brasil deveria estar muito acima de Cuba, mas não é isso que acontece. Como se não bastasse, o Brasil está atrás até da Venezuela que é tratada como um inferno na Terra pela nossa direita inculta e atrasada.

Para tirar a prova, olhe os dois gráficos abaixo e compare Cuba com o Brasil. O primeiro é uma ilustração do desempenho cubano em áreas que formam o IDH. O círculo é o desempenho esperado em função do PIB per capita. Fora do círculo desempenhos superiores aos esperados. Dentro, menores. O segundo gráfico é o desempenho do Brasil. Repare bem nos assassinatos e a desigualdade de renda onde estão (clique para ampliá-los):

IDH cubano

IDH brasileiro


O Brasil só supera Cuba em erosão da Terra. Ou seja: Cuba dá uma cacetada no Brasil muito maior que aquele humilhante 7 a 1 da Copa do Mundo. Enquanto os nossos reaças estão aí preocupados com Cuba e Venezuela, eu estou preocupado com a destruição neoliberal promovida por Michel Temer e por essa oligarquia predatória que o apoia.
O meu amado Brasil não merecia isso.

Podem comemorar, crianças, vocês venceram de goleada!

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Youtuber reaça é desmoralizado internacionalmente


O metaleiro olavista Nando Moura publicou recentemente um vídeo onde ele defendeu com dezenas de argumentos falaciosos que o nazismo era de esquerda. O vídeo dele foi uma resposta ao Leon Martins, do canal Coisa de Nerd, que refutou no Twitter essa ideia debiloide de que o nazismo era de esquerda.


Enfim, em resposta ao Nando Moura, Leon e Nilce gravaram um vídeo histórico recheado de informações e de referências acadêmicas para enterrar de vez essa história de que "o nazismo é de esquerda".
O vídeo da maior sova intelectual que alguém poderia levar segue abaixo:

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

A Coreia do norte merece mais respeito que os EUA


Eu acho uma ironia esse pessoal que adora pagar pau para os ianques, mas vive defenestrando a Coreia do Norte. Os EUA invadem países, derrubam governos, fazem embargos, matam milhares de civis, criam o caos no oriente médio, ameaçam fazer guerras nucleares, saqueiam países e vem esse monte de idiotas dizer que o problema do mundo é a Coreia só porque ela tem meia dúzia de bombas para autodefesa. Não estou aqui defendendo o regime de Kim Jong-Un: estou apenas questionando como pode existir tanta gente apedeuta a ponto de achar que a Coreia é o problema do mundo.
Pena que a Coreia não tem força militar para vencer um conflito direto contra os EUA, porque seria uma delícia ver o imperialismo ser destruído e a democracia e a paz voltarem ao mundo.

Que se danem os EUA e a sua democracia burguesa fajuta.

Não gostou?
Então pega eu!
Rarará!

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Trump: o bufão laranja


Como hoje eu estou cansado e sem tempo, vou deixar dois vídeos para reflexão sobre o pior presidente da história dos EUA: o oompa loompa bufão Donald Trump. O primeiro é um vídeo muito bacana do visionário Cláudio Prado onde ele faz uma explanação cheia de divagações sobre as peripécias dessa mudança de zeitgeist que está ocorrendo no início deste século. O segundo vídeo é do Nelson Mandela, onde ele critica os EUA por sua postura imperialista, genocida e belicosa. Trump é detonado direta e indiretamente nos dois vídeos. Afinal, não há como não criticar um presidente que põe no mesmo nível progressistas e nazistas, e que está desesperado para invadir militarmente a Venezuela e soltar armas de destruição em massa na Coreia do Norte.




segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Gwent: o viciante jogo de cartas do Witcher 3


Eu nunca fui fã de jogos de cartas, mas depois que descobri o jogo de cartas do game The Witcher 3 – o famigerado Gwent – mudei meus conceitos. À primeira vista, o Gwent parece um jogo meio complicado, mas na verdade é bem simples. Vence aquele que conseguir somar mais pontos sobre o tabuleiro ao final de duas rodadas. E para jogar, temos cartas de personagens, de heróis, de monstros e outras que alteram o clima, eliminam cartas adversárias ou que dobram o poder dos nossos cards. Enfim, só jogando mesmo para entender.
Mas o que me impressiona mesmo nisso tudo é que o Gwent é um jogo dentro de outro jogo. Para jogar Gwent, é preciso abrir o game The Witcher 3 e encontrar algum adversário para duelar com o protagonista Geralt de Rivia. Normalmente, aposta-se o dinheiro do jogo (ou outras cartas) nas partidas, o que torna a coisa ainda mais viciante.

Pense num joguinho viciante...

Como eu já terminei o Witcher 3 em três campanhas diferentes e contabilizo mais de 400 horas jogadas, o que me resta agora no game é jogar o viciante Gwent. Chega a ser engraçado, porque eu abro o game só para jogar cartas. Das 400 e tantas horas de game, acho que 1/5 delas, no mínimo, foram gastas com as partidas de Gwent. É impressionante como os jogos mais simples continuam sendo os melhores e mais viciantes.
Apesar de existir o jogo de Gwent físico e de haver outras versões virtuais dele lançadas pela produtora CD Porjekt Red, a melhor versão é a que roda dentro do próprio Witcher 3.

A seguir, um trailer muito bacana da versão online:


Enfim, este foi um post besta qualquer para sair da rotina e falar mais sobre games.

domingo, 13 de agosto de 2017

A brilhante crítica social no GTA 5


Neste domingo, eu consegui uma coisa que tem se tornado cada vez mais rara para mim: tempo livre suficiente para jogar o GTA 5. Apesar de nunca ter feito referências diretas sobre este game aqui no blog, eu jogo a série GTA deste o primeirão lançado para PC lá nos anos 90. O meu GTA favorito foi o San Andreas pela verdadeira obra de arte que aquele jogo foi. Mas enfim, voltando ao GTA 5 – que eu comprei pela Steam em 2015, mas só consegui tempo para jogá-lo agora – o jogo me impressionou bastante. Os gráficos, a jogabilidade, a grandiosidade do mapa e a complexidade de todo o jogo é maior, inclusive, que a do GTA 4. Mas o que realmente me chamou atenção jogando hoje foi a reprodução de algo que é muito pouco denunciado pela nossa mídia e que ocorre bastante nos EUA: a pobreza.

Ao sair do cinema – sim, é possível assistir a filmes em um cinema dentro do próprio jogo – eu me deparei com moradores de rua dormindo nas calçadas, catando restos de comida nas lixeiras e morando de forma muito precária debaixo de uma ponte. Isso é algo que realmente acontece nos EUA e na imensa maioria dos países capitalistas, mas muita gente prefere fingir que não existe. E, realmente, foi uma jogada de mestre da Rockstar Games reproduzir essa realidade no game como forma de criticar o sistema.

GTA 5 não esconde a realidade que fingimos não existir.

Apesar de algumas pessoas alegarem que a cidade do game não é real, ela foi inspirada em Los Angeles e possui várias referências (ou paródias) famosas da cidade. E a pobreza também existe em Los Angeles. Da mesma forma que a Rockstar faz críticas a uma série de outras coisas no game, ela também fez com relação à desigualdade social. E nós não podemos continuar fechando os olhos para um mundo onde há tantas pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza, sem moradia, sem comida e sem dignidade. Temos que nos conscientizar que é preciso mudar tudo isso através da política, porque não há outro modo de se resolver as injustiças sociais senão através das políticas públicas.

Parabéns, Rockstar.

Até quando teremos que aturar isso?

sábado, 12 de agosto de 2017

Como Cuba se livrou do fascismo


Hoje eu fiquei abismado com toda a loucura que tem acontecido recentemente nos EUA. Primeiro foi o protesto da extrema-direita norte-americana onde fascistas, nazistas, supremacistas e racistas saíram às ruas com tochas, fazendo saudações nazistas e gritando palavras de ordem contra minorias. Depois foi a vez de um carro atropelar dezenas de pessoas no protesto contra a marcha dessa extrema-direita. Foram três mortos e mais de trinta feridos. Mas, de certa forma, nada disso é novidade para quem conhece a história dos EUA. Os EUA, assim como a maioria dos países capitalistas, possui uma parcela significativa de sua população formada por esses grupos de supremacia racial e fascistas. Isso é uma consequência da própria selvageria do capitalismo que nos impõe a competição, o individualismo, o egoísmo e o falso senso de superioridade. Por isso mesmo, um dos poucos países do mundo que não possui fascistas, nazistas e afins, para desespero da nossa direita, é justamente o país que os reaças mais odeiam: Cuba. Mas você sabe como foi que Cuba eliminou o fascismo do seu território?

Fidel e Malcolm X unidos contra o racismo.

Primeiramente, os fascistas foram vencidos durante a revolução cubana. Muitos deles fugiram da ilha junto com o ditador Fulgencio Batista após a tomada do poder pelos guerrilheiros de Sierra Maestra. Outros fascistas receberam pena capital no tribunal revolucionário. Também houve aqueles que fugiram de Cuba em balsas precárias para depois tentarem retomar o poder na fracassada invasão da Baía dos Porcos. Mas não foi assim que Cuba eliminou definitivamente os fascistas. Os fascistas foram varridos de Cuba pela raiz: pela excelente educação dada aos cidadãos da ilha caribenha.
Em Cuba, Fidel politizou a população e combateu veementemente toda e qualquer forma de fascismo. Juntamente a isso, Fidel combateu a miséria e a desigualdade ao investir pesado em saúde, educação e moradia para todos. Como se tudo isso não bastasse, Cuba recebeu imigrantes negros norte-americanos que eram perseguidos em seu país e Fidel teve um encontro histórico com o líder do movimento negro Malcolm X. Em Cuba houve um investimento pesado no social, no combate ao racismo e numa educação realmente libertadora. Essa foi a tática para vencer o fascismo.

Sim, eles são felizes!

Enfim, por tudo isso, Cuba não tem racistas, nazistas, fascistas ou qualquer vertente dessa extrema-direita imunda que tem voltado a crescer no mundo. O medo que os nossos reaças têm do "Brasil virar Cuba" é, lá no fundo, o medo de não poderem mais expressar impunemente o ódio contra negros, pobres e nordestinos. O medo de uma educação crítica expresso pelo projeto escola sem partido é o medo de não haver mais espaço para se tolerar discursos de ódio e de naturalização da desigualdade. Por fim, o medo do "comunismo" é o medo de uma sociedade mais fraterna, igualitária e justa.


sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Encordoamento 09 para violão: tô fora!


Sei que o tema política tem se tornado prioritário neste blog, mas para sair um pouco da rotina, hoje vou falar um pouco sobre música, ou melhor: sobre violão. Vou fazer uma análise rápida sobre um encordoamento que não me agradou muito.

Eu toco violão há 16 anos e nunca havia tocado antes em violões de cordas de aço com encordoamentos menores que o calibre 010. Então aproveitando uma manutenção geral que fiz no meu violão, resolvi experimentar um encordoamento de diâmetro menor, o 09, para ver se era mais confortável e também como ficava o som.
Como eu uso o 09 na guitarra e o acho perfeito, então fiquei curioso para saber como esse mesmo calibre se comportaria no violão. Enfim, troquei as cordas e resolvi tocar para ver no que dava...

A primeira coisa que percebi é que as cordas são MUITO moles, bem mais moles que a 010: mais moles até que as 09 da guitarra. Fazer bends fica realmente mais fácil, mas um bend que era para ser de meio tom acaba virando um bend de um tom devido ao excesso de maleabilidade da corda. Tive, inclusive, que dar uma ajustada no tensor, porque as cordas balançavam mais que o normal e começaram a trastejar.

Outro problema é que a corda mizinha é fina demais, parece até um fio de cabelo. E como a minha pegada é forte na hora da batida, com menos de cinco minutos tocando, a corda mizinha arrebentou-se. Sorte que o encordoamento já vinha com outra mizinha reserva de brinde. E falando em cordas, estranhei que a corda sol é bem mais fina, sem aquele revestimento que tem nos calibres maiores.
Mas o que realmente me deixou chateado foi a perda de corpo no timbre das cordas. O som realmente é mais magro e com menos volume. Apesar de aparentemente ter mais sustain, o encordoamento é muito ruim para dedilhar e na hora fazer uma base mais forte, fica dando a impressão que as cordas vão se arrebentar todas de uma só vez.

Corda é uma questão de gosto

Enfim, não gostei e não recomendo – exceto se for para iniciantes ou para crianças. Para violão, só presta mesmo ou a 010, ou a 011. A 012 eu achei dura demais, muito desconfortável e parece que vai arrancar o cavalete a qualquer momento devido à tensão exagerada das cordas. Mas enfim, essa foi a minha impressão.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

O meu problema com o capitalismo


Toda vez que eu critico o capitalismo aparece alguém para me perguntar por que eu não vou para Cuba ou para Venezuela. Na cabeça de quem me faz esse tipo de pergunta só há dois sistemas possíveis, o que é uma falsa dicotomia. Na Venezuela, por mais bagunçada que esteja, ainda há um Estado que protege a propriedade privada. Cuba, por sua vez, nunca passou daquele estágio de capitalismo de Estado semiditatorial semelhante ao visto na URSS. O socialismo nunca foi, de fato, colocado em prática no mundo. A classe proletária nunca tomou o poder de fato e passou a controlar os meios de produção. Além disso, não existem apenas capitalismo e socialismo. O próprio Projeto Vênus é uma alternativa bastante interessante a tudo que já foi proposto até hoje – fora os antigos modos de produção já superados historicamente.

O capitalismo não é para amadores.

O ponto que os meus críticos não entendem é que o modo de produção em si nem é o que mais importa para mim. O que importa realmente para mim é que haja um sistema onde todos possam ter os mesmos direitos e as mesmas oportunidades. Eu desejo viver num sistema onde não falte saúde, educação, moradia e alimentos. Eu quero viver num sistema onde ninguém morra de fome, onde o meio ambiente seja respeitado, onde o trabalhador não seja explorado injustamente e onde todos tenham acesso ao capital cultural e ao lazer. Eu não quero ser obrigado a pagar caro por uma saúde privada onde eu tenha que vender a minha casa para pagar o meu tratamento de câncer. Eu desejo viver em um sistema onde o consumismo e o individualismo exacerbado não moldem a felicidade das pessoas. Eu gostaria de viver numa sociedade mais humana e mais fraterna na qual todos os seres humanos sejam irmãos.
Eu não sei como deveria se chamar esse sistema, só sei que uma das razões que me motiva a viver é lutar para que ele um dia exista.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

O capitalismo deu certo? (Imagens fortes!)


Eu até estava pensando em argumentar alguma coisa neste post, mas como o brasileiro, de um modo geral, tem preguiça de ler, então eu tive a ideia de colocar apenas imagens para ver se as pessoas se tocam. Não é possível que a nossa classe média continue fechando os olhos para os males inerentes ao modo de produção capitalista, achando que ela tem alguma coisa a ganhar com esse sistema. Enquanto a direita está preocupada com Cuba e Venezuela, milhões de pessoas sofrem no Brasil, no Haiti, em Honduras, na Guatemala, no Panamá, na Colômbia e no Chile com a miséria causada pela desigualdade social criminosa do sistema capitalista.

Enfim, vamos deixar de conversa e vamos direto para algumas imagens do que acontece nos países capitalistas e que são ignoradas pelos amantes do sistema que mais matou pessoas no mundo:
(Atenção: algumas imagens são chocantes)


















A seguir, um vídeo para reflexão:




terça-feira, 8 de agosto de 2017

Destruindo o pseudo argumento da Terra plana


Eu sei que parece brincadeira, mas o que tem de vídeos no YouTube tentando provar que a Terra é "plana" chega a ser assustador. E o pior é a quantidade de avaliações positivas nesses vídeos. Isso mostra mais uma vez a necessidade urgente da divulgação científica para a população em geral. Não é possível estarmos vivendo no século XXI com gente acreditando que a Terra é chata.

Pois bem, para acabar com essa palhaçada e provar de uma vez que a Terra é, de fato, esférica, resolvi deixar dois vídeos que destroem esse conspiracionismo medieval. No primeiro deles, uma câmera foi amarrada num balão que subiu até a estratosfera, a 25.000 metros de altura. Se a Terra fosse plana, daria para enxergar os "cantos do planeta" e o sol também seria plano nas filmagens. No segundo vídeo, a hipótese da Terra Plana é destruída em 10 argumentos rápidos.






Será que agora ainda vai continuar tendo maluco defendendo a "planice" da Terra?

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

O Golpe dentro do Golpe


Para quem não se lembra, o mensalão do PT – amplamente denunciado pela mídia burguesa – ocorreu porque parlamentares receberam dinheiro público para votar a favor dos projetos do governo. Com Michel Temer ocorreu algo ainda pior: dinheiro público sendo surrupiado da nação para comprar deputados e salvar o presidente golpista da justiça. Diferentemente do que ocorreu contra o PT, poucos se indignaram desta vez. O fato é que Michel Temer segue impune, servindo ao grande capital e aumentando impostos para cobrar dos brasileiros a conta do Golpe. Mas não foi nem por isso que eu escrevi esta postagem...

Temer quer dar um segundo Golpe.

A razão de ter escrito este post foi para denunciar um segundo Golpe. O presidente Michel Temer está defendendo abertamente o parlamentarismo, ou seja: o povo deixa de escolher diretamente o presidente da república. Em um cenário onde Lula lidera as pesquisas, nada mais oportuno para os corruptos e para a direita golpista que impor um sistema onde o nosso parlamento escolha o nosso chefe de Estado. Isso dará a oportunidade para que todas essas reformas truculentas impostas pelas oligarquias e pelo sistema financeiro internacional continuem para sempre.


O que os donos do mundo querem é transformar o nosso país em um fornecedor de matéria-prima barata com mão de obra igualmente barata e precarizada. Estamos trabalhando cada vez mais e ganhando cada vez menos para sustentar o rentismo e o luxo das elites dominantes. E nada melhor que um Golpe dentro de outro Golpe para manter esse objetivo. Primeiro foi a farsa do impeachment e agora é a farsa do parlamentarismo que vai manter no poder esta casta cleptocrata para sempre: ou pelo menos até o povo se cansar e resolver se unir para fazer uma revolução com as próprias mãos. Porém, com esse povo apático, alienado, despolitizado e colonizado intelectualmente pela lavagem cerebral midiática, sempre iremos rumo ao pior. É como uma manada de búfalos correndo rumo ao precipício.


Precisamos politizar mais as pessoas, dialogar com as comunidades carentes, ouvir as pessoas nas periferias e montar uma frente popular organizada para ter força política para mudar e eliminar esse paradoxo do "pobre de direita". Não é possível continuar nesta apatia diante de tanto absurdos.
Ainda é possível mudar.