sábado, 17 de junho de 2017

Homossexualidade põe igreja em xeque


Tanto a Igreja Católica quanto as igrejas evangélicas estão diante de um dilema cruel no que se diz respeito à aceitação da homossexualidade como algo natural. Todos sabem que as igrejas sempre foram bastante repressoras com relação à homossexualidade, porque na época que a Bíblia foi escrita, desejar alguém do mesmo sexo era um pecado mortal. O problema é que no século XXI as coisas são muito diferentes. Hoje a aceitação social e cultural da homoafetividade tem se tornado muito mais ampla. Apesar de toda homofobia que ainda existe hoje, nunca pessoas homossexuais tiveram tanto espaço no nosso país para se manifestarem, para casarem e para se assumirem. E como as pessoas estão começando a perceber que a homossexualidade não é algo nocivo para a sociedade, então aquela postura heteronormativa e reacionária que sempre esteve presente na igreja está passando por uma espécie de revisão.

Se a igreja não aceitar a homossexualidade como algo natural e continuar alimentando o preconceito, ela corre o risco de parar no tempo e começar a perder fiéis por sua intolerância e sistema de doutrina arcaico. Mas se a igreja optar pelo oposto, tolerando a homossexualidade e deixando de considerá-la um pecado, corre o risco de perder os fiéis mais conservadores e de cair em contradição. Afinal, por que a igreja condenou a homossexualidade por séculos e agora está "reescrevendo" as leis de um deus onisciente e imutável? Em todo caso, as igrejas católicas e protestantes estão diante de um momento de mudança onde precisarão se manifestar em definitivo sobre a homossexualidade. E seja lá qual for a postura da igreja, de um jeito ou de outro, o amor vencerá.

Viva a diversidade!

2 comentários:

  1. é facil o movimento lgbtista
    por a igreja em xeque,
    agora eu quero ver esses lgbtistas impor isso
    sobre homossexual nas mesquitas islãmicas (islãmismo).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim que o islã se tornar um religião domesticada, pode ter certeza que haverá diálogo com a comunidade lgbt também.

      Excluir